Temporada 2019-2020 Do Teatro Nacional De São Carlos Apresenta Sete Óperas

A nova temporada lírica e sinfónica do Teatro Nacional de São Carlos de 2019/2020 já foi anunciada, e foi elaborada pelo diretor artístico, o britânico Patrick Dickie, que termina funções agora em agosto.

Numa programação lírica composta por sete óperas, destaque para duas novas produções, a ópera de um compositor português e dupla viagem ao Porto com Verdi e Wagner. No programa sinfónico, Mahler é o compositor mais revisitado, salientando-se ainda três obras coral-sinfónicas de Händel, Bruckner e Carrapatoso.

A Temporada Lírica, marcada por grandes compositores do século XIX (Verdi, Gluck, Donizetti, Wagner, Joly Braga Santos, Puccini e Rossini) e por produções líricas, terá início no dia 10 de outubro de 2019 com a ópera italiana La Forza Del Destino, de Verdi, idealizada num “ambiente bélico” com encenação de David Pountney, direção musical de Antonio Pirolli, com o Coro do TNSC e a Orquestra Sinfónica Portuguesa. As personagens Donna Leonora e Don Alvaro serão interpretadas por Julianna di Giacomo e Kristian Benedikt, mas haverá uma récita inédita no dia 12 de outubro em que o par é português, com a soprano Cristiana Oliveira e o tenor Paulo Ferreira.

A ópera vai estar em cena nos dias 10, 14, 16 e 18 de Outubro, às 20h00, e no dia 12 de outubro, às 16h00.

Destaque ainda para a versão de concerto da ópera Orfeu e Euridice, de Christoph Willibald Gluck, no dia 6 de novembro de 2019, às 20h00, com versão musical de Jane Glover e com elenco totalmente português e apresentada no âmbito das comemorações do centenário do nascimento da escritora Sophia de Mello Breyner Andresen.

Em janeiro de 2020 (nos dias 25, 27, 29 e 31, pelas 20h00) e no dia 2 de fevereiro de 2020, pelas 16h00, está prevista a encenação de Maria Stuarda, de Gaetano Donizetti, numa produção do Teatro de Ópera de Roma.

Na Temporada Lírica, em abril de 2020 (dia 3, às 20h00 e dia 5, às 16h00) acontecerá uma nova produção do TNSC, Trilogia das Barcas, do compositor português Joly Braga Santos a partir dos autos das barcas de Gil Vicente, com direção musical de Joana Carneiro e encenação de Luca Aprea.

Alguma da produção lírica será apresentada também no Coliseu do Porto, no âmbito de uma estratégia de descentralização da programação do TNSC e da Companhia Nacional de Bailado, estruturas tuteladas pelo Organismo de Produção Artística (Opart).

A Temporada de Concertos da Orquestra Sinfónica Portuguesa (OSP), dirigida pela maestrina titular, Joana Carneiro, arrancará no dia 22 de setembro de 2019, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, com obras de Beethoven e Strauss e Concerto para Violino Opus 14, do norte-americano Samuel Barber, e no Teatro Nacional de São Carlos ( quatro concertos) numa série de obras do repertório sinfónico de grande escala na qual a orquestra é superlativa: Bach, Bruckner, Barber, Beethoven, Strauss, Mahler e Emmanuel Nunes serão os compositores presentes no CCB.

Joana Carneiro quis enfocar a programação sinfónica em Gustav Mahler, de quem será interpretada A Canção da Terra – numa apresentação em diálogo com uma obra de Emmanuel Nunes – e ainda as Sinfonias Nº4 e Nº9.

É de salientar a presença do Coro do Teatro Nacional de São Carlos, dirigido pelo seu maestro titular Giovanni Andreoli, em The Messiah, a mais conhecida e mais frequentemente interpretada oratória de Händel, no Te Deum, de Bruckner, dirigido pelo maestro Pedro Neves, e no Requiem à Memória de Passos Manuel de Carrapatoso, sob direção de João Paulo Santos.

Em fevereiro de 2020, “a produção musical portuguesa contemporânea é privilegiada” num concerto dirigido por Pedro Neves, com interpretação de peças de Pedro Moreira, Eurico Carrapatoso e, em estreia mundial, Sinfonia (Des)Concertante, da compositora Ana Seara.

Em abril de 2020, a Orquestra Sinfónica Portuguesa estará no CCB para integrar o festival Dias da Música dedicado a Beethoven.

O foyer do TNSC será destinado a uma programação durante as manhãs, pensada para famílias e para públicos a partir dos 6 anos, contando, por exemplo, com Uma História da Trompa, de Laurent Rossi, a Flauta Mágica Vista da Lua, de Mário João Alves, e Trinta e Seis Histórias Para Entreter os Filhos de um Artista, de Francisco de Lacerda.

Os bilhetes estão à venda na bilheteira do Teatro Nacional São Carlos, na bilheteira do CCB, e online.

A programação completa pode ser consultada aqui.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.