Coleção Sonnabend Chega ao Museu de Serralves

Sonnabend
Sonnabend

Christo, Jasper Johns, Donald Judd, Roy Lichtenstein, Robert Rauschenberg ou Andy Warhol, são alguns dos nomes que fazem parte da Coleção Sonnabend, cujas obras podem agora ser admiradas, a partir de dia 5 de fevereiro, Museu de Arte Contemporânea de Serralves, no Porto.

The Sonnabend Collection. Meio Século de Arte Europeia e Americana. Part 1 é o nome da exposição dedicada a uma das mais importantes coleções de arte americana e europeia da segunda metade do século XX, reunida pela galerista Ileana Sonnabend. A exposição é comissariada por António Homem, e organizada com a colaboração de Fondazione Musei Civici Venezia (MUVE), Ca’ Pesaro, em Veneza, e da Sonnabend Collection Foundation.

Foi Ileana Sonnabend quem levou para as suas galerias de Paris e Nova Iorque os principais protagonistas da arte pop, do minimalismo, da arte povera, do pós-minimalismo e da arte conceptual.

A mostra, que chega agora a Serralves, inclui 61 pinturas, esculturas e instalações de 1956 à atualidade, da autoria de 43 artistas, a maioria apresentada pela primeira vez em Portugal. Muitos dos artistas presentes são referências essenciais na Coleção de Serralves. Entre os vários trabalhos de grande escala que integram a exposição está o desenho mural de Sol LeWitt Arc from Four Corners. A sua instalação nas galerias do Museu de Serralves conta com a colaboração do Estate of Sol LeWitt e envolve a participação de alunos da Escola de Belas-Artes do Porto.

A exposição está concebida em cinco núcleos, categorizada por movimentos artísticos. Cada núcleo expositivos pretende salientar as afinidades conceptuais, estéticas e plásticas dos artistas representados, destacando simultaneamente o papel singular de cada um e o de, Ileana Sonnabend, na história da arte da segunda metade do século XX.

No primeiro núcleo, é dedicado a Ileana Sonnabend, onde se inclui o trato feito por Andy Warhol. Outro ligado à arte pop americana e ao nouveau réalisme francês inclui pinturas e esculturas de Arman, John Chamberlain, Christo, Jim Dine, Jasper Johns, Roy Lichtenstein, Robert Morris, Claes Oldenburg, Robert Rauschenberg, James Rosenquist, George Segal, Mario Schifano, Andy Warhol e Tom Wesselmann.

O terceiro núcleo integra obras associadas à arte povera e à antiforma, da autoria de Giovanni Anselmo, Pier Paolo Calzolari, Jannis Kounellis, Mario Merz, Robert Morris, Bruce Nauman, Guilio Paolini, Richard Serra, Keith Sonnier e Gilberto Zorio.

O quarto núcleo debruça-se sobre o minimalismo, com os artistas John Baldessari, Larry Bell, Mel Bochner, Peter Halley, Donald Judd, Clay Ketter, Sol LeWitt, John McCracken e Michelangelo Pistoletto.

O quinto núcleo inclui uma peça de chão criada por Barry Le Va e pinturas dos neoexpressionistas alemães Jörg Immendorff, Anselm Kiefer e A. R. Penck, mostradas paralelamente a obras de Richard Artschwager, Carroll Dunham, Robert Feintuch, Fischli & Weiss, Michelangelo Pistoletto, Rona Pondick, Robert Watts e Terry Winters. Estas obras, sobre temas muito diversos, proporcionam uma visão excêntrica – surreal, mítica, simbólica, alegórica, emocional – de mundos reais ou imaginários, provocando no observador um sentimento de estranheza.

Em 2015 uma seleção de pelas da Coleção Sonnabend havia já sido mostrada no Museu Arpad Szenes – Vieira da Silva, numa exposição também comissariada por António Homem.

A exposição pode ser vista até ao dia 8 de maio, de terça a sexta-feira entre as 10h00 e as 18h00 e aos sábados, domingos e feriados, das 10h00 às 19h00. A entrada no Museu custa 10 euros e inclui entrada no parque. É gratuita aos primeiros domingos de cada mês, das 10h00 às 13h00.

Por Tânia Fernandes (Texto e Fotos)

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.