Ver as estrelas no Alentejo na primeira reserva Dark Sky

Uma rota turística dedicada à noite e à observação das estrelas é a nova proposta das Terras do Grande Lago. Reserva Dark Sky, é o novo projecto da Zona de Turismo do Alqueva, que envolve os Concelhos do Alandroal, Mourão, Monsaraz, Portel, Barrancos e Reguengos.

Esta iniciativa pretende dar a conhecer um céu límpido e estrelado, sem perturbações da iluminação artificial, da apelidada poluição luminosa. Assim Monsaraz, outrora descrita como um navio (devido à iluminação criada nos anos 70), surge agora no espectáculo nocturno com uma iluminação muito mais suave, indirecta e os focos foram dirigidos para baixo, para o chão, evidenciando o xisto, conforme explicou a dra. Maria de Jesus do Departamento Cultural da Câmara Municipal de Reguengos de Monsaraz durante a apresentação à imprensa.

Actualmente a observação do céu, das estrelas é muito prejudicada pela iluminação das nossas cidades, daí o Alentejo e especialmente a região do Grande Lago, serem uma localização ideal para este projecto.

O projecto prevê um processo de diminuição da poluição luminosa nocturna, de forma a possibilitar a observação do céu à noite e a realização de algumas actividades nocturnas, como a observação dos astros, passeios nocturnos, “nightwildlifewatching”, “nightbirdwatching”, passeios a cavalo, entre outras actividades.

A Rota Dark Sky tem como público-alvo astrónomos amadores (e as suas famílias), um mercado estimado em cerca de 20 milhões, e ainda outros apaixonados pela natureza e pela noite, explicou Apolónia Rodrigues, presidente da Genuineland e uma das coordenadoras do projecto, aos jornalistas.

Neste momento, o projecto incluído nos muitos programas apresentados no âmbito do Ano Europeu da Sustentabilidade, já está a funcionar e conta com dez estabelecimentos dos seis Concelhos aderentes, como o Agroturismo Monte dos Vicentes em Terena, Alandroal; o Hotel Rural Refúgio da Vila em Portel; Parque de Noudar em Barrancos; Restaurante Sem-fim – Museu do Azeite e Casa Saramago (Casa de Campo) em Telheiro, Reguengos de Monsaraz; Casa Pinto em Monsaraz; Pateo de Cascalhais; Hotel Rural Nave Terra; Casas de Juromenha (Casas de campo) e o Restaurante Mateus em Juromenha, no Alandroal, estando previsto chegar aos 50 no espaço de um ano.

“A ideia é ter equipamentos móveis em todos os estabelecimentos aderentes, e estes estarem preparados para atenderem às diversas solicitações fora de horas, como por exemplo transportes ou refeições depois das 22h00”, explicou ainda a responsável.

O projecto da Rota Dark Sky inclui um investimento de 700 mil euros, partilhados pelas entidades participantes (Genuineland – Rede de Turismo de Aldeia do Alentejo, TGLA – Turismo Terras do Grande Lago Alqueva, EDIA Empresa de Desenvolvimento e Infra-estruturas de Alqueva, SA e pela CCDRA – Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo), e cujos programas vão estar brevemente disponíveis para comercialização, no site da TGLA e da Genuineland.

Um programa Dark Sky inclui alojamento, restauração, observação astronómica e ainda uma actividade ou passeio nocturno. O preço varia consoante as unidades envolvidas no pacote.

Para a divulgação deste projecto, a organização para além do território nacional, vai apostar também no mercado espanhol (devido à proximidade), no mercado inglês, irlandês e do centro da Europa.

Para a dinamização da Rota, a organização prevê também associar diversos eventos e festas a esta iniciativa, como por exemplo, festejos pagãos, como a celebração do Endovélico no Alandroal, ou a observação e estudo dos monumentos megalíticos e a sua relação com os astros.

Um projecto que pretende ser pioneiro a nível mundial segundo revelou a responsável ao Canela & Hortelã.

Reportagem de Elsa Furtado e Clara Inácio

Deixar uma resposta