Nu Soul Family estreiam-se com mensagem super positiva e cheia de energia

Num momento de pausa das suas carreiras musicais, o DJ Alan Gul e o baixista Bassman (dos Bambs Cooper) juntaram-se a dois vocalistas, um dos Da Weasel (Virgul) e outro dos Expensive Soul e dos Dino & The Soulmotion (Dino), e formaram uma nova família, onde impera a admiração mútua entre os elementos, unidos por uma linha musical comum: a música de dança.

O Canela & Hortelã falou com este novo grupo que em comum tem a paixão pela música e a vontade de experimentar, que já resultaram no lançamento do disco de estreia, Never Too Late to Dance, pela Universal Music.

“Motivados pela paixão comum pela música e pela vontade de criar algo de diferente,esta é a história de quatro músicos que se reuniram há cerca de um ano e decidiram criar um álbum com personalidade dançante, com o intuito de reinventar o panorama da música de dança a nível nacional e internacional”, explica Virgul ao C&H.

Para o músico, Never Too Late to Dance é um álbum super positivo, cheio de energia e que põe as pessoas bem dispostas. É essa marca e essa mensagem que queremos deixar às pessoas: a vida é feita para sorrir, a partir do momento que nascemos e temos a oportunidade de cá estar”.

O facto de os Nu Soul Family contarem com a participação de vários músicos, contribui para que não sejam só produzidas coisas com instrumentos digitais: “Temos também músicos a tocar, o que valoriza o álbum e faz com este também seja mais orgânico e mais fácil de transpor para o formato ao vivo”, defende o também elementos dos Da Weasel.

A família apresenta-se versátil e com uma enorme capacidade de surpreender e tem como pontos fortes a coesão, como conjunto, e as vozes. O aspecto mais marcante do álbum é a mistura de vários estilos , acentuada pelas participações do norte-americano Atiba, que aborda o ‘ragga’ mais tradicional, e de Jennifer e Caty, que trazem a sensualidade feminina ao universo Nu Soul Family. Em comum todos têm o facto de serem descendentes de jamaicanos.

“É um álbum muito eclético, sem dúvida, porque varia entre o funck, o dance, já que os instrumentais são muito marcados pelo ambiente de dance, mas também passa muito pelo funck, soul, house e mesmo por ritmos mais africanos”, explica Dino, que acrescenta ainda que “basicamente, é uma mistura de influências dos quatro sobre intrumental dance”.

Como referências, Virgul menciona Jamiroquai, Kool & the Gang, Stevie Wonder, Michael Jackson, James Brown, Martin Solveig, Bob Sinclar, desde influências mais soul a outras mais dance… é uma lista infinita.

O single de estreia, This is for my people, já circula nas rádios e é dedicado a todos os que fazem parte da vida dos NSF e que, de alguma forma, os ajudaram a crescer. I Believe é o single que se segue e cujo teledisco vai servir de apelo à humanidade e tem lançado marcado ainda para este mês.

Os dados estão lançados e como diz o título do álbum: “nunca é tarde para dançar”. Aliás, a dança continua já a 27 de Maio, no Palco Sunset do Rock in Rio, seguindo o Estádio Nacional, onde a banda vai assegurar a primeira parte do concerto dos Black Eyed Peas a 30 de Maio. Os Nu Soul Family têm também a sua presença confirmada em algumas Semanas Académicas.

Entrevista de Cristina Alves
Foto gentilmente cedida pela Universal Music

Deixar uma resposta