Mario Vargas Llosa é o nobel da literatura 2010

O escritor peruano Mario Vargas Llosa foi o autor escolhido para receber o Prémio Nobel da Literatura 2010, atribuído pelo comité Nobel, com sede em Estocolmo, actualmente com mais de um século de existência.

Aos 74 anos, o escritor, que também tem nacionalidade espanhola, vai receber o Nobel de Literatura por seis décadas dedicadas à literatura, carreira que começou com uma peça de teatro escrita aos 16 anos.

Depois de Gabriel Garcia Marquez, ter recebido o Nobel em 1982,  do mexicano Octávio Paz em 1990, agora foi a vez de mais um escritor latino-americano receber esta distinção.

Segundo a Academia sueca, o prémio foi concedido a Vargas Llosa pela sua “cartografia das estruturas do poder e mordazes imagens da resistência, da rebelião e derrota do indivíduo”. A questão da soberania individual diante dos furacões históricos tem sido uma preocupação do autor, que, em A Verdade das Mentiras, faz a defesa intransigente da fortaleza interior do Doutor Jivago, de Boris Pasternak (1890-1960), um dos autores analisados no livro e que, como ele, ganhou o Nobel em 1958.

Vargas Llosa, que escreveu mais de 30 romances, peças de teatro e ensaios, nasceu em Arequipa, num vale da cordilheira dos Andes e teve de emigrar com a mãe divorciada para Cochabamba, Bolívia, onde concluiu os seus estudos básicos. Só quando regressou ao Perú, em 1946, aos dez anos, conheceu o pai, antes de ingressar num colégio militar. Ecos de sua adolescência surgem nos romances a Tia Julia e o Escrevinhador. Mas um dos seus livros mais populares surgiu em 1973, ano em que foi publicado Pantaleão e as Visitadoras.

Vargas Llosa tem o dom de transformar crónicas sobre a realidade peruana em fábulas morais, recorrendo a personagens que migram de um livro para o outro sem muita cerimónia, como o cabo Lituma, que saiu do romance A Casa Verde para se tornar o protagonista de Lituma nos Andes. Neste, o escritor critica os guerrilheiros do Sendero Luminoso.

O seu livro mais recente data de 2006 e intitula-se Travessuras de Menina Má, tendo sido editado pela Dom Quixote, responsável pela edição em Portugal dos livros do escritor. Para este ano ainda, está prevista entre nós a publicação de O Sonho do Celta, o mais recente livro do autor, que vai ser editado pela Quetzal.

O último Nobel divulgado pela Fundação Alfred Nobel foi o do Prémio Nobel da Paz de 2010, que este ano vai ser atribuído a Liu Xiaobo, um dissidente chinês, pela sua “luta longa e não violenta pelos direitos fundamentais da China”, que sucede assim a Barack Obama. Este é o único dos prémios Nobel a ser atribuído pela secção de Oslo, na Noruega, onde fica instalado o “Nobel Peace Center”.

Texto de Cristina Alves

Deixar uma resposta