Festival Terras Sem Sombra no Alentejo alia arte à biodiversidade

festival_alentejoO Festival Terras Sem Sombra de Música Sacra, o mais destacado do género em Portugal, está de regresso com um cartaz transversal no campo das artes, da cultura e da biodiversidade. Almodôvar recebeu o concerto de abertura do festival, que vai ainda passar pelos concelhos de Santiago do Cacém, Grândola, Beja, Vila de Frades, Castro Verde e Alcácer do Sal antes de encerrar em Sines, no mês de julho.

Stabat Mater de Pergolesi marcou o início do 9.º Festival de Música Sacra Terras Sem Sombra, na igreja de Santo Ildefonso, matriz de Almodôvar, a 13 de abril, sob o título promissor, “Arquitecturas do Espírito”, que evoca uma das marcas distintivas do festival, que é a associação entre  monumentos religiosos do Alentejo meridional à música sacra.

De Almodôvar, o Festival Terras Sem Sombra viaja até Santiago do Cacém, no próximo sábado, dia 20, para um espetáculo na Igreja Matriz de Santiago Maior, onde se vai poder ouvir Stabat Mater, de Pedro Escobar, e Missa Sancti Jacobi, de Guillaume Dufay, interpretados pela formação italiana La Reverdie, que traz a Portugal um grupo de dez músicos.

A 4 de maio, Guillaume de Machaut vai ser interpretado, na Igreja Matriz de Nossa Senhora da Assunção, em Grândola, pela formação Le Poème Harmonique, sob a direção musical de Pierre Hamon.

O Festival Terras Sem Sombra continua ao longo da primavera até entrar no verão, com mais música (o programa detalhado pode ser consultado no site, havendo ainda nesta edição um concerto dirigido aos mais jovens, sob o tema “O Principezinho”, uma adaptação de Victor Palma da obra de Antoine de Saint-Exupéry, agendado para 29 de junho, no Carvalhal, no concelho de Grândola

Além disso, o programa propõe ainda uma conferência por Rui Vieira Nery, da Universidade de Évora, sob o mote “Uma História do Contraponto: Do Gótico às Vanguardas”, agendada para 18 maio, nas Igreja de Nossa Senhora dos Prazeres, em Beja.

Como já vem sendo hábito, aliado à música sacra em locais privilegiados, a direção do Festival Terra Sem Sombra, promovido pela Diocese de Beja, aproveita a ocasião para sensilizar para a conservação da natureza e ambiente, através de diversas iniciativas em parceria com outras entidades, como autarquias locais, escolas ou, entre outros, o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas.

A fauna e a flora da Reserva Natural das Lagoas de Santo André e da Sancha, no concelho de Santiago do Cacém, as práticas de gestão do montado da Herdade das Barradas, em Grândola, a floresta e o montado de Vila de Frades, a rota do Campo Branco, que atravessa vários concelhos do interior alentejano, e a biodiversidade marinha no porto industrial de Sines são algumas das temáticas em destaque.

Texto de Ângela Nobre

Deixar uma resposta