Festas de Lisboa arrancam a 1 de Junho

A cidade de Lisboa vai estar em festa ao longo do mês de Junho, com arraiais, muitos espectáculos e as tradicionais sardinhas. A animação começa logo no primeiro dia do mês com o espectáculo de abertura, um show multidisciplinar que decorre em três espaços: Terreiro do Paço, Rua do Ouro e Rossio.

Numa conferência de imprensa no Cinema São Jorge – antecedida pela actuação dos alunos da Escola de Música do Conservatório Nacional –, o presidente da EGEAC (empresa que gere os equipamentos culturais em Lisboa) destacou a preocupação tida este ano com o aspecto da inclusão social nas Festas de Lisboa, numa intervenção traduzida em simultâneo em linguagem gestual, dando assim continuidade à existência de um programa em braille.

“A inclusão é a palavra chave das festas da cidade, que tentámos que fossem o mais democráticas possível”, afirmou Miguel Honrado, realçando depois a participação de mais de duas mil pessoas no concurso organizado para escolher a imagem de marca das festas, que resultou num grupo de 300 sardinhas decoradas, das quais 15 serão o espelho da iniciativa este ano.

Outra das novidade desta edição é a concentração das festas apenas no mês de Junho, apesar de estarem desseminadas um pouco por toda a cidade de Lisboa, uma estratégia que, segundo o presidente da EGEAC passa por “intensificar as festas, reduzindo os tempos mortos próprios de uma programação mais dispersa. Além de que Junho é o mês de Lisboa, com os Santos Populares, e por isso também quisemos concentrar as festas no mês da cidade”.

A programação deste ano, segundo Miguel Honrado, “é uma programação à escala da cidade, do Terreiro do Paço ao Lumiar e de Belém a Marvila/Braço de Prata” e acrescentou que se trata de uma “aposta na diversidade através de uma rede integrada de parcerias com agentes culturais da cidade de Lisboa”.

Com um orçamento mais reduzido, a rondar um milhão de euros, o programa apresentado no São Jorge terá o seu início a 1 de Junho com a abertura marcada para o centro histórico da cidade, vindo do Terreiro do Paço ao Rossio passando pela Rua do Ouro, com a actuação, pela noite dentro, de Do-Do Land, Compañia Puja, do grupo Dadadang Percussion e pelos Balayeurs du Désert.

 

Fado em destaque

 

Na rubrica ‘Andar em Festa’, a parte da programação dedicada à música nos transportes públicos surge logo no segundo dia das festas, com o ‘Jazz às Onze’ a visitar os elevadores do Lavra (dia 2), Glória (dia 3), Bica (dia 4) e Santa Justa (dia 5), regressando nos dias 6 ao ascensor da Glória, a 7 de Junho ao Lavra e no dia seguinte ao de Santa Justa.

Além do jazz nos ascensores, o fado também tem um papel central nas Festas de Lisboa, com diversos fadistas a interpretar tanto o fado mais tradicional como o mais castiço, sempre no elétrico 28, do Martim Moniz aos Prazeres.

Enquanto a música invade os elevadores de Lisboa e o elétrico, o teatro chega aos autocarros, ao metropolitano e aos comboios da Linha de Cascais.

Este ano as Festas de Lisboa contam igualmente com uma nova iniciativa que pretende descobrir largos e ruas de Lisboa com bailes móveis, saudando as pessoas às janelas e convidando-as para um pezinho de dança. Os ‘Micro Bailes’ arrancam a 3 de Junho, no Largo da Rosa às Escadinhas das Saúde.

Mas as festas também são os arraiais populares, que se espalham um pouco por toda a cidade, a que se junta este ano o Arraial latino-americano, a 18 e 19 de Junho, no Largo Dr. José Figueiredo, e o já conhecido ‘Arraial Pride’, agendado para dia 25 de Junho, no Terreiro do Paço.

O festival Internacional de Marionetas e Formas Animadas, entre 1 e 6 de Junho, o ‘Outjazz’, que este ano deixa os jardins e percorre as ruas e recantos da cidade com 23 dos melhores DJ´s da atualidade, são outros dos momentos marcantes da diversidade das festas lisboetas.

Para dar voz às novas tendências e expressões artísticas a programação das Festas de Lisboa inclui pela segunda vez o Festival Silêncio, que pretende cruzar a literatura com outras artes como a música, artes cénicas ou o vídeo, de 15 a 25 de Junho, no Cinema São Jorge.

Para aproximar a cidade do Tejo e celebrar o rio as Festas de Lisboa incluem este ano a Regata Troféu Epal, agendada para 4 de Junho no Padrão dos Descobrimentos, e o Dia da Marinha do Tejo, dia 25, no Cais das Colunas.

O peso do fado nas festas lisboetas é sublinhado na ‘Festa do Fado’, um dos projetos mais representativos e relevantes no panorama musical ou cultural desta canção, numa iniciativa integrada no programa da candidatura do Fado a Património Imateril da Humanidade – cujo resultado sairá no final deste ano – e que se vai do Castelo S. Jorge ao Chapitô, passando pela Igreja do Sacramento e pela Fábrica do Braço de Prata.

Os Casamentos de Santo António e as Marchas Populares continuam a marcar a imagem das Festas de Lisboa, com o desfile na Avenida da Liberdade (dia 12) a ter este ano como país convidado o Reino de Marrocos, cumprindo a tradição da apresentação de um cortejo proveniente de outro país.

O programa de festas integra ainda mostras gastronómicas e de artesanato e sessões de cinema ao ar livre, o ‘Cineconchas’, que regressa ao Parque das Conchas e se estende pelo mês de Julho.

O encerramento acontece no dia 30 de Junho, com um concerto na Alameda Dom Afonso Henriques, que tem como mote o Fado, contando com a participação de Carlos do Carmo, Mariza, Cristina Branco e a Orquestra Metropolitana de Lisboa.

 

 

Texto e fotografia de Cristina Alves

 

Deixar uma resposta