Cidade de Tavira oferece “Bolos com Cereja”, de Luísa Sobral

Reportagem de Paulo Sopa

Foi numa noite quente do Verão algarvio que Luísa Sobral se apresentou na margem do rio Gilão, em Tavira, para deliciar o muito público ali presente com a sua “cereja no topo do bolo”. Esta jovem portuguesa, que surgiu há 6 anos no programa televisivo “Ídolos”, ainda imberbe, cumpriu o que então se augurava: teve um crescimento gigantesco na voz e na composição, estudou numa das melhores escolas de música do mundo nos Estados Unidos, ganhou prémios e rodeou-se de excelentes músicos; e ainda é “quase” imberbe. A sua ascensão meteórica é de facto merecida: não porque seja possuidora de uma voz única e portentosa, mas porque a voz que tem domina-a exemplarmente; porque compõe temas que assentam que nem uma luva ao seu estilo e às características que tem, temas esses que são ricos nas influências que ostentam e que mostram também a muita cultura musical que Luísa Sobral bebeu ao longo da sua vida; porque soube rodear-se de excelentes músicos, portugueses, que lhe respondem e contribuem para a riqueza das suas músicas; porque é jovem e mostra em palco que o sucesso não lhe subiu à cabeça, mantendo a humildade e a (in)genuinidade de quem ainda está a viver um sonho e não acredita na sua dimensão; porque é uma verdadeira contadora de histórias também na forma como escreve; porque respira e transpira música por todos os poros do seu corpo; porque criou a sua própria identidade musical e já está a vingar com ela.
A coragem de querer ser também uma cantora pop mas não deixar de compor música fiel às suas influências do jazz, da música brasileira, entre outras, fazem de Luísa Sobral uma corajosa vencedora nesta ainda curtíssima viagem musical. “The Cherry on my Cake” é o primeiro álbum de originais da cantora e compositora e, como ela própria refere na sua biografia, “…é o resultado de tudo isso”.
Um concerto gratuito que animou muita gente que estava não só nas bancadas do belo anfiteatro ao ar livre que a cidade de Tavira possui junto ao rio Gilão, mas também nas esplanadas das várias pastelarias e restaurantes da zona. Quem lá esteve, saiu certamente satisfeito e mais bem disposto.

Deixar uma resposta