Batalha de Atoleiros Recriada em Fronteira

batalha atoleiros 2013_brFronteira revisita a Idade Média, entre 21 e 23 de junho, com a Recriação da Batalha de Atoleiros. Para além da homenagem ao feito de D. Nuno Álvares Pereira, o evento da vila de Portalegre inclui uma Feira Medieval, onde não faltarão as diversões típicas da época.

No primeiro dia de verão, os visitantes poderão assistir ao “julgamento de desordeiros castelhanos e à aplicação da sentença” em praça pública e ainda apreciar as iguarias e divertimentos da Feira, a partir do final da tarde.

Já no sábado, o momento alto do dia será o “Assalto ao Burgo de Fronteira”, com as tropas de Castela a pôr cerco junto às muralhas e os homens da vila a ripostar. Para desanuviar do combate, haverá tempo para danças e músicas medievais, jogos de destreza típicos da época e espetáculos com malabaristas e engolidores de fogo, bem como para comes e bebes em diversas tabernas.

A recriação da batalha propriamente dita acontecerá no domingo, pelas 15h00, na zona industrial de Fronteira, seguindo-se duas horas depois a chegada ao Burgo dos homens de D. Nuno Álvares Pereira e a celebração da vitória.

O evento, organizado pela Câmara Municipal de Fronteira em colaboração com a Viv’Arte – Companhia de Teatro, decorre no dia 21 a partir das 18h00. No sábado, a festa começa às 12h00 e uma hora mais cedo no domingo. A entrada é livre tanto na Feira Medieval como na recriação do episódio militar.

A Batalha de Atoleiros aconteceu a 6 de abril de 1384, no local pantanoso que lhe deu nome, entre Fronteira e Sousel. Graças à então inovadora tática do quadrado, D. Nuno Álvares Pereira levou de vencidos os castelhanos, que se apresentavam em muito maior número. Diz-se que entre as tropas portuguesas não se registaram nem mortos nem feridos, mas que o invasor sofreu pesadas baixas. Caiu, assim, por terra a invencibilidade de Castela e iniciou-se o processo de afirmação de Portugal que, com a crise de 1383/85, consagra a sua identidade como país.

Texto de Alexandra Gil

Deixar uma resposta