Zambeze faz a ponte gastronómica entre Portugal e Moçambique e apresenta nova carta

Reportagem de Tânia Fernandes e António Silva
zambeze_05Em antecipação à apresentação da nova carta, o C&H foi ao Zambeze e provou uma das novidades que aí vem: Filetes de Polvo com Arroz de Tomate. É um dos pratos da tradição de Natal, indispensável em muitas mesas, em especial no nordeste do país. Aconchegante para dias cinzentos em que se quer um petisco no prato.

Situado no centro histórico de Lisboa, o Zambeze é um restaurante cosmopolita, para quem aprecia ser recebido com simpatia, quer usufruir de um espaço e ambiente cuidados, mas que para o efeito não pretende abdicar da qualidade e quantidade no prato. Com tradição gastronómica beirã, este restaurante do grupo Visabeira apresenta uma ementa que se estende além das nossas fronteiras e toca sabores africanos. Moçambique é o destino onde o grupo mais tem investido e é de lá que traz os condimentos que melhor combinam com os nossos pratos. João Paulo Varela é o Chefe que promove este encontro entre os dois países.

Caril de Caranguejo desfiado, Camarão Tigre à Moçambicana, Camarão à Laurentina ou Tranche de peixe em leite de coco e cebolada são, da carta de peixe, aqueles em que a fusão de sabores é mais evidente. Mas um dos pratos muito solicitados, e que vai permanecer na carta, segundo nos assegurou a responsável pelo restaurante, Raquel Gomes, é o Bacalhau em crosta de broa com puré de castanha.

No que toca à carne, destaca-se o Tornedó grelhado com aromas de Moçambique, que consiste num suculento naco de carne, acompanhado de puré de batata, legumes e um molho de manga. Ainda com os sabores quentes de Moçambique encontra-se também o Frango à Zambeziana ou o Chacuti de vitela. Da escolha mais tradicional, há Arroz de cabrito com castanhas ou Cabrito grelhado com batata na grelha e legumes.

A acompanhar a refeição, destacamos os vinhos da Casa da Ínsua, que tem garrafeira própria neste espaço. Com origem na região demarcada do Dão, a Casa da Ínsua tem sido distinguida, nos últimos três anos, pelas excelentes colheitas que tem produzido.

A sobremesa está acessível em forma de buffet, e caso de dúvida, vale a pena experimentar uma pequena porção de cada uma das iguarias apresentadas e arruinar de vez com o projeto “dieta”!

O restaurante fica no topo do antigo Mercado do Chão do Loureiro (entre o Largo do Caldas e a Costa do Castelo), que funciona agora como parque de estacionamento. Tem uma ampla esplanada onde é possível usufruir de uma vista privilegiada sobre Lisboa. Um verdadeiro mar de tranquilidade, para aquelas horas em que o convívio ou a leitura de sobrepõe à necessidade de uma refeição. É o espaço ideal para beber um copo, petiscar ou mesmo iniciar o dia com um brunch. Na noite de temporal em que visitámos o Zambeze, não nos atrevemos a sair do conforto das paredes. No entanto, uma das novidades deste inverno será precisamente a inauguração de um espaço coberto, em que é possível fazer a refeição em comunhão com uma magnífica vista para o rio Tejo.

O espaço é também uma verdadeira galeria de arte, com mostra de peças de faiança da Bordallo Pinheiro.

O Zambeze funciona de segunda-feira a domingos, entre as 10h00 e as 23h00. O restaurante oferece duas horas de estacionamento aos clientes.

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.