Voz e violão de Gilberto Gil no CCB

Gilberto Gil

Reportagem de Madalena Travisco (texto) e Joice Fernandes (fotografia)
 

No grande auditório do CCB, em Lisboa, os ombros balançavam ao som do “Esperando na janela” com que Gilberto Gil se despediu. Foi uma noite brilhantemente preenchida só com voz e violão, que encerra a tournée de Gilberto Gil pelas cidades da Europa.

Lisboa foi o ultimo ponto, antes do regresso direto a casa que é já amanhã, disse.  No palco, desfilou uma seleção de canções que, tal como mais recente trabalho Gilbertos Samba lançado no final de março deste ano, celebram o legado de João Gilberto com temas deste e outros consagrados autores da música brasileira.

Os primeiros acordes do violão denunciaram “Músicas Futarianas” de Gilberto Gil e as primeiras palavras:

“Muito boa noite Lisboa! Boa noite aos portugueses, boa noite aos brasileiros e outras nacionalidades. Muito obrigado pela presença. Que tenham um bom show!”

E tivémos um show inigualável de voz e violão: “Aos pés de Santa Cruz” e “Desafinado” foram a primeira homenagem a João Gilberto para se seguirem dois sambas para o Rio de Janeiro: “Rio, eu te amo”, quase inédito e trilha de filme com o mesmo nome e “Aquele Abraço!”, ambos de Gilberto Gil.

“Tres palabras” trouxe uma sonoridade mexicana, antes de “Flora” que dedicou à mulher que o acompanha a ele e às violas nos quilómetros percorridos pelas cidades da Europa (e que estava na sala a ajudar na iluminação).

[satellite auto=on caption=off thumbs=on]

 

Dois temas de Bob Marley “No Woman no Cry” e “Don’t Worry About a Thing” marcaram o momento da troca do violão e um rumo para Dorival Caymni com “Saudade da Bahia”, Caetano Veloso com “Desde que o samba é samba”, Ary Barroso com “É luxo só”. Tempo para o forró com “Eu só quero um xódó” e para o Axê com “Avisa lá.

De volta aos temas da sua autoria, trouxe o “Expresso 2222”, “Andar com fé”, “Toda a menina bahiana”, com o “que Deus dá/ que Deus deu” dividido com o público.

Sairia grato, não fosse o público pedir por mais. O encore trouxe “Esotérico”, “O pato” em mais uma homenagem a João Gilberto e por fim:

Por isso eu vou na casa dela, ai ai
Falar do meu amor pra ela, ai ai,
Tá me esperando na janela, ai ai
Não sei vou me segurar!

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.