Trilogia Da Juventude Volta Ao Porto

O Teatro Experimental do Porto (TEP) leva ao palco do Teatro do Campo Alegre (TeCA) a Trilogia da Juventude, uma criação que reconstrói narrativas de Portugal nos anos 50,70 e 90, com texto de Rui Pina Coelho e Gonçalo Amorim e encenação de Gonçalo Amorim.

A Juventude diz-se geralmente que parece ser, quase sempre, o lugar onde mais felizes fomos.

Jovens elencos tentam dar algum sentido ao percurso de uma vida, com as peças O Grande Tratado da Encenação; A Tecedeira de Lia Zola e Maioria Absoluta, numa viagem utópica e revolucionária.

A Trilogia completa é apresentada no dia 17 de novembro, em horários consecutivos, numa maratona teatral que inicia às 16h00, com a última peça às 21h00.

O Grande Tratado da Encenação “rouba” o nome ao Pequeno Tratado da Encenação, obra de António Pedro, escrita em 1962, com grande impacto no teatro nacional da época. Este manual para a construção de um teatro de exigência artística é o ponto de partida para O Grande Tratado da Encenação, onde três jovens protejam a invenção de um país que ainda não existe. Um debate à volta da utopia de um novo país – e de um novo espetáculo.

A Tecedeira de Lia Zola faz-se de revoluções. Com o Germinal de Émile Zola, o Livro Vermelho de Mao Tsé-Tung e o existencialismo de Jean-Paul Sartre na bagagem, jovens portugueses dos anos 70 fazem uma “revolução cultural”. Uma vontade de mudar o mundo leva os jovens portugueses, burgueses, urbanos e letrados a abandonar os seus estudos e rumarem a campos e fábricas para espalhar cultura. São Jovens a tentar viver os seus melhores anos.

Encerra a Trilogia da Juventude a peça Maioria Absoluta, uma viagem aos anos 90. Depois de Cavaco Silva vencer, em 1987, as eleições por maioria absoluta, o país prepara-se para um novo ciclo, a criação de um país moderno, com Lisboa Capital da Cultura, em 1994 e a Expo 98 a abrir caminho para uma nova nação.
Para muitos, esses foram os melhores anos – foi então que atingiram a maioridade, que construíram as certezas mais absolutas, que escreveram inflamados poemas de amor a musas semanais, que lutaram contra as propinas, que se manifestaram dia sim, dia não.

O preço dos bilhetes é de 5 euros para o bilhete conjunto, do dia 17 de novembro, e pode ser adquirido no local e online.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.