Tradição Gastronómica Na Oficina Do Duque

Reportagem de Tânia Fernandes e António Silva

Oficina do Duque

Um dos cantos da estreita Calçada do Duque, no coração de Lisboa, tem um restaurante inspirado numa antiga oficina. Orientado pelo Chefe Rui Rebelo, a Oficina do Duque foi recentemente renovada e permite saborear boa Gastronomia Nacional.

O ambiente do restaurante, ao jantar, é quase uma assembleia multilingue. Ouve-se falar espanhol, italiano, francês e alemão. Reflexo do aumento do turismo na Capital, e da partilha de recomendações pelas páginas da web, está repleto de turistas. Muitos, com mesa previamente marcada.

Ficámos junto à janela. A temperatura amena deste início de outono permite que o restaurante funcione em pleno: duas pequenas salas, com portas abertas para a rua e vista da arquitetura pombalina e duas esplanadas exteriores.

A ementa é simples, sem uma lista interminável de opções. Uma página, que nos deixa a salivar de indecisão.

Começámos com uns pãezinhos feitos na Oficina, com paté de miúdos de pato e vinho do Porto (1,50 euros por pessoa) e daí passámos para um dos petiscos da carta: o Polvo cozido, com esmagada de batata a murro e um agradável travo a aneto (6,50 euros). A carta apresenta ainda um Sortido de hambúrgueres de choco e de vaca com pão da casa (9,50 euros), Asas de frango marinadas em cerveja, limão e louro (6 euros) ou um prato de legumes assados (curgete e beringela), com lascas de queijo da ilha (5,50 euros).

Há depois, quatro propostas de peixe, entre peixe do dia, um prato de Corvina, o inevitável Bacalhau – aqui com grelos e broa. E nós optámos pelo Sarrajão, raízes e soja (12,50 euros). O Sarrajão vem braseado e é servido com puré de raízes e soja perfumada.

De carne, há o classico Bitoque, mas também Canelone de frango, Cachaço de porco, Borrego ou Rabo de Boi. Este último foi a nossa opção, com peré de pêra e chicharros. bem apurado e muito aconchegante (13 euros).

As sobremesas é uma conjugação de elementos tradicionais, com um pequeno toque especial: há mousse de chocolatecom azeite frutado e flor de sal, pudim da madrinha com espuma de limão, pão de ló em mel e banana caramelizada. Nós recebemos na mesa uma caixa de madeira, com um aroma bem quente a oregãos. Aconchegado neste ninho foi servido um Leite creme com gelado de caramelo e xarope de citrinos. Um excelente equilibrio de quente/ frio, doce/ amargo para rematar a refeição (5 euros).

Oficina do Duque

Com preços muito justos para os pratos apresentados, um serviço muito atencioso e simpático, a Oficina do Duque é uma boa sugestão de mesa a marcar. A janela aberta para a cozinha, reforça a segurança do que temos no prato.

Com a casa a funcionar bem, o Chefe Rui Rebelo prepara-se para abraçar novos projetos. Ficámos curiosos para conhecer os proximos passos.

A Oficina do Duque fica no nº 43 da Calçada do Duque, em Lisboa. Abre, diariamente, entre as 12h00 e as 23h00.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.