The Gift Levaram Coliseu Dos Recreios Ao Rubro

Nem a chuva nem o vento afastaram os fãs do Coliseu dos Recreios, em Lisboa, no passado sábado, para ver os portugueses The Gift, que se encontram a meio de uma digressão internacional, e que passaram pela capital este fim de semana, depois de atuarem no Porto na sexta feira, para apresentar ALTAR – o seu mais recente trabalho discográfico, lançado em abril de 2017.

A subida ao palco dos The Gift estava prevista para as 22h00, e foi com apenas alguns momentos de atraso que a banda de Alcobaça compareceu perante um Coliseu dos Recreios cheio, para ver e ver ouvir ao vivo ALTAR, produzido por Brian Eno, um trabalho ligeiramente diferente dos anteriores da banda.

Uma espera cronometrada pelo público durante 15 minutos, num ecrã gigante, depois surge um vídeo com imagens de vários filmes e o público vai gritando “The Gift”, “The Gift” e Sónia Tavares, Nuno Gonçalves, John Gonçalves, Miguel Ribeiro, Mário Barreiros (bateria) e Paulo Praça (guitarra) surgem em palco.

O concerto começou com  “Lost”, mas seguiram-se os esperados temas do novo álbum: “Hymn to Her”, “Vitral”, “Big Fish”, “Malifest”, “Love Without Violins”, “Clinic Hope”, e pelo meio alguns dos mais antigos, muitos com nova roupagem, como “Doctor”, “Race”, “Guess Way”, “Blue Heart”, “Primavera”, “Music”, “1977”, “Driving You Slow”, “11.33”, “Ok, Do You Want Something Simple?”, “RGB”, e “Sunrise”. Um alinhamento que agradou ao público que correspondeu, cantando e vibrando entre temas. Ao longo das quase duas horas, uma imparável Sónia Tavares ía falando com o público ou interagindo com Nuno Gonçalves, as duas figuras mais destacadas da formação nascida em 1994.

Para os encores ficaram guardados alguns temas emblemáticos como “Intro” e “You Will be Queen”. A abrir o segundo encore, Nuno Gonçalves e Sónia Gonçalves apenas, numa interpretação intimista, interpretaram “Fácil de Entender”, o temas que mais aplausos e coro teve por parte do público, afinal era um tema em português e o público não se fez rogado a cantar na sua língua mãe.

Para a despedida a banda guardou “Question of Love”, com todos os elementos em palco, e saíu relembrando o “Rei” do Rock in Roll – Elvis – com “Can’t Help Falling In Love”, e um agradecimento aos fãs presentes.

Uma noite em grande quer para quem esteve na plateia como no palco. A digressão continua agora por terras estrangeiras, nomeadamente Luxemburgo e Amesterdão ainda este mês de março.

No final dos dois concertos (Porto e Lisboa) os fãs puderam adquirir em exclusivo o download do áudio completo de cada um dos concertos.

De referir ainda que a primeira parte do concerto esteve a cargo da jovem violinista russa IAN (atualmente 1ª violinista na Orquestra Sinfónica do Porto), que se revelou uma agradável surpresa e senhora de uma grande voz, numa breve atuação de cerca de 20 minutos. A sua música combina pop, trip-hop e eletrónica e ainda uma forte presença de instrumentos clássicos como piano acústico e violino.