Terceira Mostra de Cinema da América Latina decorre no Cinema São Jorge em Dezembro

A terceira edição da Mostra de Cinema da América Latina vai decorrer no Cinema São Jorge, entre os dias 13 e 16 de dezembro, e é organizada pela Casa da América Latina tendo pela primeira vez o Alto Patrocínio da Presidência da República. A EGEAC mantém a sua parceria desde 2010 no sentido de apostar nas relações com outros países e no seu conhecimento mútuo.

Este ano estão oito países envolvidos e dez longas-metragens: Argentina e Brasil (com duas longas cada um), Chile, Cuba, Equador, México, República Dominicana e Venezuela. A programação inclui sete primeiras obras sendo apenas três de realizadores consagrados, trabalhos de autor e de realizadores jovens. Segundo Maria Xavier, a Coordenadora de programação científica e cultural da Casa da América Latina, os critérios para a escolha dos filmes foram a qualidade, trazendo filmes que tiveram reconhecimento nos seus países e fora deles; a diversidade, tentando incluir a maior parte dos países sendo que a Venezuela, o Equador e a República Dominicana são incluídos pela primeira vez; e a atualidade, não pretendendo revelar os clássicos da América Latina mas sim mostrar o que se passa hoje nestes países; assim estes filmes falam da realidade, o que os realizadores pensam, o que os motiva e o que os preocupa. Já os temas são recorrentes: a História, a violência, a política, o resgate da memória, as desigualdades.

O novo logotipo da mostra, que foi apresentado na passada sexta-feira dia 16 de novembro, remete para a natureza, para as cores das favelas e das roupas das personagens; é muito sensorial e torna-se assim uma mostra de esperança e positividade.

Relativamente aos filmes, de destacar Habanastation, de Ian Padrón, filme de abertura da mostra no dia 13 de dezembro às 21h00, que recebeu o Prémio Glauber Rocha no Festival Internacional de Novo Cinema Latino-Americano de Havana (Cuba, 2011) e foi o filme selecionado por Cuba para os Óscares 2012 (Cuba, 2011). O embaixador de Cuba resume este filme a “Uma Cuba, duas Havanas”; trata-se da vivência de dois meninos, um que vive na parte periférica da capital e outro no centro da cidade e fala-nos da importância da amizade e da relação com o outro, daquilo que verdadeiramente importa.

No dia 14 às 19h00 será exibido o filme La Jubilada que contará com a presença do realizador chileno, Jairo Boisier; irá apresentar a sua primeira longa-metragem, vencedora do Work in Progress do Festival de Belfort (França) e com estreia internacional no Festival de Roterdão.

No mesmo dia será exibido Hermano, de Marcel Rasquín, filme selecionado para representar a Venezuela nos Óscares e que arrecadou prémios internacionais no Festival Internacional de Cinema de Moscovo (Rússia, 2010) e no Festival Internacional de Cinema de Los Angeles (EUA, 2010). Fala-nos sobre a violência urbana.

No dia 15 às 15h00, a mostra apresenta Bosch: Presidente en la Frontera Imperial, do realizador da República Dominicana René Fortunato; da Argentina, Juan Y Eva, de Paula Luque, às 17h00; do Brasil poder-se-á apreciar Hoje de Tata Amaral, às 19h00, filme com uma grande carga psicológica. O dia termina com um filme do Equador às 21h00 Abuelos, de Carla Valencia Dávila.

No último dia são exibidos no cinema São Jorge e às 17h00, Flordelis, Basta uma palavra para mudar, do brasileiro Marco Antônio Ferraz e que conta com muitos atores de renome da Globo; às 19h00, Alamar, do mexicano Pedro González-Rubio, que fala sobre o mar e a relação de um pai com o filho, de afetos.

O encerramento acontece no dia 16 de dezembro, com Verdades verdaderas. La vida de Estela, do argentino Nicolás Gil Lavedra.

Os bilhetes têm o preço de 3 euros sendo de 2,50 euros para menores de 25 anos e maiores de 65, podendo ser adquiridos na bilheteira do cinema São Jorge.

Texto de Joana Resende

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.