Teatro Municipal de Faro recebeu Open Hamlet – a nova peça da ArQuente – Associação Cultural

IMG_3227E se Hamlet, a personagem de Shakespeare com mais de 400 anos de história, fosse um de nós nos dias de hoje? Este é um dos pensamentos que nos fica depois de assistirmos à nova peça, levada a cena pela Associação Cultural ArQuente, Open Hamlet, nos dias 13 e 14 de setembro, no Teatro das Figuras, em Faro.

Num ambiente quase intimista, é-nos apresentado um Hamlet “aberto”, aberto a cada uma das personagens em palco e aberto ao público que é convidado a questionar-se, a sentir na pele a inquietação que nos assombra o mundo contemporâneo, e a intervir, de certa forma, naquele mundo desconcertante.

Tanto o jogo de luzes e a dinâmica sonora, como o silêncio e a escuridão, envolvem-nos naquele Hamlet perturbador que apesar de clássico, e sem fugir à sua história, se nos apresenta tão atual. A velocidade do seu pensamento, os jogos existenciais, que o levam a fingir-se de louco de forma a testar os seus limites e a provocar o engano dos outros que o vigiam, os seus diálogos interiores e as suas contradições pessoais, são no fundo também um pouco de nós nas nossas lutas existências, das nossas armas para sobreviver numa sociedade tão complexa, nas nossas próprias inquietações, e nos relacionamentos que temos com os outros e connosco próprios.

Encenada por João Garcia Miguel, Open Hamlet tem em palco os atores Ricardo Mendonça, Teresa da Silva e Vítor Gil Silva que, para além de personificarem, cada um à sua maneira, esta força de Hamlet, procuram reações de quem assiste à peça, numa interação muito original com o público.

This slideshow requires JavaScript.

Apesar deste universo “shakespeariano” quase trágico, não faltam momentos de humor, inteligentemente incorporados nas cenas, que nos fazem rir até de nós próprios.

Afinal, vivemos mesmo num mundo louco, que, à imagem de Hamlet, nos faz estar inquietos, e vamo-nos distraindo com algumas coisas para não enlouquecermos com a complexidade do mundo! Fica-nos uma questão: Os que fogem do “rebanho” são chamados loucos, mas afinal a loucura não estará no mundo que não entende os que questionam e ousam falar?

Uma Produção da Ar Quente – Associação cultural e Teatro Municioal de Faro.

Reportagem de Ana Horta (texto) e Paulo Sopa (fotos) 

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.