Tartufo de Molière estreou em Almada

tartufo_01Reportagem de Tânia Fernandes

Casa cheia, na passada sexta-feira, para assistir à primeira estreia do ano da Companhia de Teatro de Almada. Tartufo, de Molière, a peça que chegou a ter as apresentações públicas proibidas é hoje em dia recebido com fortes gargalhadas. Texto rico, representado de acordo com a sua construção original, exige alguma concentração para acompanhar a linguagem arcaica. Mas entrando na cadência, revela-se bastante divertida na forma como ironiza fragilidades humanas, como os falsos devotos ou a ascensão social com recurso à hipocrisia. Algumas reflexões sobre as relações de (in)fidelidade entre marido e mulher provocam a reação do público que se mostra, nos dias que correm, bastante recetivo a duas horas de comédia do século XVII.

Tartufo é acolhido na casa de Orgon, onde se instala como rei e senhor. Aparenta uma devoção extrema, tornando-se guia espiritual das almas da família. A sua crença, porém, não é sincera: constitui apenas um expediente para satisfazer as suas pretensões de poder, riqueza e volúpia. Há quem se iluda com tamanho virtuosismo, mas os mais atentos apercebem-se das suas reais intenções e, quando Marianne, filha de Orgon, lhe é prometida em casamento, a necessidade de desmascarar o impostor impõe-se.

É a terceira vez que Rogério de Carvalho dirige Tartufo, uma das obras mais importantes do  dramaturgo  francês.  A peça estreou em Paris em 1664. Embora tenha agradado ao público e ao rei, a oposição da Igreja Católica e da Companhia do Santo Sacramento foi imediata e contundente: o arcebispo de Paris chegou a ameaçar com a excomunhão todos aqueles que vissem, representassem ou lessem o texto. Só voltou a ser apresentada publicamente em 1669, em resultado do apreço de Luís XIV pela peça. Tartufo continua a ser representado por todo o mundo, em sinal inequívoco da sua atualidade.
Integram o elenco Alexandre Pieroni Calado, Ana Cris, André Gomes, Catarina Reis, Celestino Silva, João Farraia, Maria Frade, Marques D’Arede, Miguel Eloy, Pedro Walter, Teresa Gafeira e Teresa Mónica.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Tartufo pode ser visto na sala principal do Teatro Municipal Joaquim Benite, em Almada, até ao dia 30 de março. Há sessões de quarta-feira a sábado às 21h30 e domingo às 16h00. Os bilhetes custam 13 euros.

Imagens de Rui Carlos Mateus, cedidas pela Companhia de Teatro de Almada

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.