Super Bock Em Stock Voltou A Esgotar Lotação Com Cartaz Que Combina Hip Hop E Indie

Reportagem de Tânia Fernandes (texto e fotografia) e António Silva (fotografia)

Jungle
Jungle

Ao final da segunda noite, quando os Jungle pisaram o palco do Coliseu de Lisboa, havia público até às galerias pronto para dançar ao som do funk desta banda. Antes descobriu-se novas sonoridades pelos palcos do festival Super Bock em Stock, distribuídos na Avenida da Liberdade.

Chegar cedo ao recinto do concerto, que se quer mesmo ver, é obrigatório neste festival. Muitas das salas não têm capacidade para acolher todos os que têm bilhete. O Capitólio, palco cuja sonoridade incidiu sobre o hip hop foi um desses casos. Masego, na primeira noite e Rejjie Snow, na segunda, foram claros exemplos disso. Com o espaço lotado, a fila de pessoas à espera, para entrar, chegava ao portão do Parque Mayer. 

Houve aqui espaço também para ouvir novos talentos, como Lolo Zouai ou os portugueses Lazy, SP Deville, Pedro Mafama e NGA.

Na primeira noite, foram muitos os saudosistas dos The Smiths que marcaram presença no Coliseu de Lisboa para ouvir Johnny Marr. O antigo guitarrista da banda continua, com carreira a solo, mas integra ainda no alinhamento alguns dos grandes êxitos que compôs e que o colocaram na história da música. Não desiludiu e ao segundo tema brindou o público com uma das mais conhecidas: “Bigmouth Strikes Again”. Sentiu-se a energia dos anos oitenta no ar, que se voltou a agitar quando soaram os acordes de “The Headmaster Ritual”. Johnny Marr trouxe também temas mais recentes, dentro do rock, como “Day in Day Out” e “Easy Money”, mas provou que sua música se desenvolveu no sentido da eletrónica, ao tocar uns temas mais disco. Fechou com chave de ouro, a deixar até vontade de que continuasse mais algum tempo, com o clássico “There is a light that never goes out”.

De seguida, os Capitão Fausto provaram que são uma das bandas mais consensuais do momento, com o Coliseu a vibrar com os temas da banda de Tomás, Salvador, Francisco, Manuel e Domingos. 

A outra estrela do festival foi Conan Osíris. O Teatro Tivoli BBVA foi pequeno para acolher a multidão que queria assistir à performance do fenómeno musical nacional do momento. Uma formula que combina, com muito humor, elementos da cultura portuguesa e as preocupações dos jovens, hoje em dia. “Eu queria uma playstation/ já pedi ao meu padrinho/ eu queria uma playstation/ só para não me meter no vinho”. O personagem criado por Tiago Miranda é um sucesso e já bem conhecido do público que, cedo se pôs de pé para cantar e dançar os seus temas. “Eu é que sou borrego” cantou a plateia em coro insano. 

A música portuguesa ocupa grande parte do cartaz e uns dão a conhecer o seu trabalho, outros novos trabalhos e parcerias. Manuel Fúria e os Náufragos foi um dos que preparou um espetáculo especial, em que dividiu – a pouca – luz com Samuel Úria, Márcia e Miguel Ângelo. 

Encontrámos também uma efusiva Lena D’Água, no Teatro Tivoli BBVA, que se juntou a um grupo de músicos, a banda Xita, liderada por Primeira Dama, nas teclas e voz. 

Na Casa do Alentejo, Fogo Fogo incendiaram com o seu funaná e música de baile de festa africana. O mesmo aconteceu, pela mesma hora, mas no dia seguinte, com a atuação de Dino D’Santiago.  Pela reduzida lotação do espaço, a música cabo-verdiana só chegou a quem veio marcar presença muito antes do início do concerto.

Tivemos ainda oportunidade de constatar que o talento está a atravessar o país, ao ouvir o Conjunto!Evite, os Birds Are Indie, Éme, April Marmara e Zé Vito, que conquistaram as diferentes plateias onde atuaram.

O festival Super Bock em Stock é o espaço ideal para apresentação de novos estilos, uns já com longa carreira, outros a dar os primeiros passos, mas sempre surpreendentes.

Foi o caso do violino de IAN, a harmonia dos The Saxophones, o som etéreo de Still Corners, o registo cru de Soak, os samples das U.S Girls, as vibrações de Lo-Fang, ou o sintetizador de Beja Flor.

Com a chuva, na segunda noite, foi em menor número, os que arriscaram descer ao palco na Estação do Rossio. Uma viagem que se revelou compensadora, para quem teve oportunidade de ouvir o concerto de Elvis Perkins, o cantor e compositor americano. Com canções simples, dedilhadas com a guitarra, Elvis deu a conhecer o seu ambiente emotivo. Com mais energia, foi o concerto, na noite anterior, de The Harpoonist & The Axe Murderer. Uma folk a pisar o funk. 

Esta edição deu a conhecer um novo espaço, o bar do Maxime. Num ambiente de cabaret, ali nos deixámos envolver na poderosa voz de Anabela Aya, um dos nomes emergentes da musica Angolana. 

O espírito de descoberta de espaços e sonoridades em Lisboa, manteve-se vivo neste festival Super Bock em Stock. O cartaz aberto a vários estilos e gerações permite que um mesmo bilhete sirva para dançar de forma descontrolada ao som do mais duro hip hop, como absorver, no conforto de uma poltrona, as novas sonoridade indie.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.