Serralves Apresenta O Jardim Da Aprendizagem Da Liberdade De Yoko Ono

O Museu de Arte Contemporânea de Serralves apresenta a exposição Yoko Ono | O Jardim da Aprendizagem da Liberdade. A primeira exposição dedicada à obra da artista em Portugal pode ser visitada, até ao dia 15 de novembro, em Serralves, no Porto.

A mostra, patente no Museu e no Parque de Serralves apresenta uma visão abrangente da produção multifacetada de Ono, pioneira da arte conceptual e da performance, através de objetos, obras em papel, instalações, performances, gravações em áudio e filmes, além de materiais de arquivo raramente expostos.

Ao longo de uma carreira de mais de sessenta anos, Yoko Ono manteve-se fiel à sua arte e às suas convicções, sem nunca abandonar as mais prementes questões estéticas, políticas e sociais.

Tal como a artista que nos primeiros anos de sua extensa carreira viveu entre Nova Iorque, Tóquio e Londres, esta exposição também se vai estender por diferentes locais – pelo Museu e Parque de Serralves e pelas ruas da cidade do Porto.

Yoko Ono teve um papel precursor no desenvolvimento do conceptualismo, da arte performativa e do filme experimental a nível internacional. Ideias, mais do que materiais, são a principal componente do seu trabalho. Muitas dessas ideias são poéticas, absurdas e utópicas, enquanto outras são específicas e práticas. Algumas são transformadas em objetos, enquanto outras permanecem imateriais. Frequentemente, a obra reflete o sentido de humor da artista, bem como sua postura marcadamente socio-crítica.

Em YOKO ONO: O Jardim da Aprendizagem da Liberdade, o visitante «confrontar-se-á com algumas estruturas arquitetónicas que se impõem no espaço e que seguem os desenhos técnicos originais de George Maciunas, um dos fundadores, a par de Ono e John Cage, do movimento FLUXUS. Para Yoko Ono, a arquitetura consiste numa criação mental, desenvolvida através de uma investigação da artista do espaço arquitetónico como um vazio histórico. Alguns desses projetos são reconstituídos nesta exposição e transcrevem as peças dedicadas a Maciunas, que transpôs as instruções da artista para projetos arquitetónicos reais.»

Em Serralves, as peças “Add Color” (Refugee Boat) ou “Arising” são outras obras que para além de solicitarem a participação do público, transmitem um posicionamento social, nomeadamente sobre a questão dos refugiados e sobre a discriminação exercida sobre as mulheres. A instalação “Arising” convoca mesmo as mulheres que foram vítimas de discriminação a deixarem o seu testemunho.

A exposição estende-se ao Parque de Serralves, onde para além das peças de palavras de grandes dimensões situadas em vários locais escolhidos, estarão expostas as peças “Garden Set” ou “To See the Sky” , obra instalada no Pátio do Ulmeiro. «As escadas têm um significado muito especial que a artista associa ao céu e às possibilidades infinitas da vida, da criação, da capacidade humana de amar.». Instalada em oliveiras centenárias, o visitante encontrará a obra “Wish Tree” e será convidado a escrever os seus desejos pessoais pela paz e a atá-los ao ramo de uma árvore.

A exposição pode ser visitada durante o horário habitual, mas de acordo com as atuais regras de segurança.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.