Ria De Aveiro Weekend: Celebrar A Ria, O Mar E As Suas Gentes

Reportagem de Rosa Margarida e Paulo Soares

O Ria de Aveiro Weekend (RAW) é um convite para descobrir a região de Aveiro. Aconteceu de 5 a 7 de julho e uniu onze municípios da Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro, com o objetivo comum de promover o turismo sustentável, através de uma intensa e diversificada programação, tendo a Ria como epicentro e a Grande Regata dos Moliceiros como evento maior.

A agenda de eventos dos três dias do RAW, com concertos, exposições, Gastronomia, visitas guiadas e outras tantas atividades, de várias disciplinas artísticas e culturais, alicerçou-se em múltiplos eventos e celebrações do distrito: da ExpoBairrada, em Oliveira do Bairro ao AgitÁgueda em Águeda, passando pelo Festim – Festival Internacional de Músicas do Mundo em Estarreja e Sever do Vouga; o Vagos Sensation Gourmet, em Vagos; as Festas da Vista Alegre em honra de Nossa Senhora da Penha de França, em Ílhavo e o Arraial da Barrinha, em Ovar, entre outras iniciativas e atividades, umas pontuais, outras que se estendem pelo mês de julho.

O mote do RAW, “A Ria de Aveiro começa por mim” e a Grande Regata dos Moliceiros marcaram estes três dias de festas, celebrando a memória e a cultura aveirense e mantendo viva a tradição. Longe vão os tempos em que os Moliceiros circulavam, entre Mira e Ovar, na apanha de algas (o moliço) usadas na agricultura, no transporte de mercadoria e de gado. Mantendo a sua estrutura original, de costados baixos e calado pequeno, os moliceiros passaram de “instrumentos” agrícola a  embarcações destinadas a passeios turísticos, as gôndolas da Veneza Portuguesa. A cor e as pinturas dos painéis na proa e na ré são também característica singulares dos moliceiros que o RAW promove e divulga com o “Concurso de Pinturas e Painéis dos Moliceiros”.

A Grande Regata dos Moliceiros contou, nesta edição, com 15 embarcações. Alçaram-se velas e da Praia da Torreira, na Murtosa ao Cais da Fonte Nova, em Aveiro, uniram-se mar e ria. Marco Silva, com a embarcação homónima, foi duplamente galardoado, sagrando-se vencedor da Grande Regata dos Moliceiros e vencedor do Concurso de Pinturas e Painéis de Moliceiro.

Um dos pontos altos do RAW foi a apresentação, nos dias 5, na Murtosa e no dia 6, no Cais da Fonte Nova, do projeto desenvolvido pela companhia inglesa Walk the Plank em estreita colaboração com a comunidade local, “numa celebração simbólica da ria”. “Uma performance noturna, que conjugou um cenário aquático com apontamentos de luzes e técnicas de fogo”.

Ainda que a Grande Regata dos Moliceiros seja o “estandarte” do RAW, o fim de semana passou também pela promoção e divulgação gastronómica da região, com particular enfoque no Vagos Sensation Gourmet, na Praia da Vagueira, em Vagos. Subordinada ao tema “Gentes da terra”, a iniciativa contou com degustações, showcookings, palestras e outras atividades que ligam “o mar à mesa”. Destaque para o roteiro ambulante “Vagos e suas gentes: Histórias entre Pratos”; o Jantar Gastronómico “des(uso)” que juntou renomados Chefes nacionais e internacionais a cozinheiros amadores do município;  o almoço “Entre redes e linhas: à mesa com as nossa gentes” e, a fechar o evento, o jantar “Dos consagrados às promessas”. A marca dos 15 000 visitantes foi suplantada com o “melhor cartaz de sempre”.

Também a ExpoBairrada promoveu de 3 a 7 de julho, as atrações gastronómicas, o parque industrial, comercial e agrícola de Oliveira do Bairro. O programa de cinco dias contou com atuações de Rui Veloso, Ana Moura, Carolina Deslandes, Agir, Quinta do Bill e ProfJam, para além de DJs e bandas locais. Com 164 espaços de exposição e uma forte aposta nos Espumantes, a edição de 2019 foi uma das mais concorridas de sempre.

Da promoção gastronómica às celebrações religiosas, o RAW associou-se às Festas da Vista Alegre em honra de Nossa Senhora da Penha de França, em Ílhavo. Uma festa religiosa e popular constante do Inventário do Património Cultural Imaterial Nacional, que contou com Tiago Bettencourt como cabeça de cartaz.

No cartaz do RAW, o final do Arraial da Barrinha, com início das festividades no dia 27 de junho. Nomes como Janita Salomé, Áurea , Marta Ren e You Can’t Win Charlie Brown passaram por Esmoriz, numa edição que contou com cerca de 50 mil visitantes. O Arraial, suspenso por 50 anos, tem desde 2014 potenciado o turismo e comércio locais.

Também as visitas guiadas e as exposições foram uma clara aposta, ao longo destes três dias, numa promoção da arte e tradição aveirenses, com destaque para a Exposição de Desenhos e Pintura Retrospectiva da Obra de Paulo Tanoeiro, em Albergaria-a-Velha; Ao Sabor da Ria, visitas guiadas e degustações no Comur – Museu Municipal na Murtosa; Sentidos do Mar, no Mercado do Peixe da Costa Nova e Ao sabor da Ria: experiências Sal e Salicórnia, com visita guiada e degustação à Marinha Grã Caravela>.

A vasta área de exploração de sal na Ria de Aveiro é, nas palavras da anfitriã, “um pré-museu a céu aberto”, pois das 400 salinas existentes em Aveiro, há 100 anos, sobram, nos dias de hoje, apenas oito salinas. O trabalho pesado dos marnotos afasta os jovens das salina, mas as “marinhas” reinventam-se, ao sabor dos tempos…e dos paladares. A Marinha Grã Caravela oferece aos seus visitantes uma visita guiada pela reserva ou viveiro, passando pelos algibés, os cristalizadores e os tabuleiros. A divisão da salina conta ainda com um “spé”, uma spa para os pés, onde a água salina a cerca de 45º graus revitaliza os membros inferiores. Aberto no verão, o tanque de água salgada com argila proporciona verdadeiro banhos com lama, com uma função terapêutica confirmada. As salineiras deram lugar à massagista e à vendedora, já que a marina, oferece massagens terapêuticas e produtos artesanais à base de sal, desde a cerveja ao sabonete, passando pelos cremes, a flor de sal ou a salicórnia – esta última considerada em tempos uma erva daninha das salinas é vendida como planta gourmet e usada como condimento e ingrediente.

Do sal das marinas aveirenses para os chapéus-de-chuva de Águeda. O AgitÁgueda é, volvidos 14 anos, bem mais do que chapéus-de-chuva a decorar as ruas e praças. A edição de 2019 arrancou no dia 6 de julho e promete surpreender os visitantes até ao dia 28 deste mês. Um percurso de arte urbana espalha-se pela cidade, com instalações como o “Umbrella Sky Project”; o “Floating Bubbles”; o “Bira!”, entre mais de 32 instalações de arte e pintura. O Encontro de Estátuas Vivas é também uma das atrações principais do festival.

O evento faz-se também de música, artesanato, gastronomia, animação de rua e eventos desportivos. No cartaz musical destaque para os Calema, no dia 19; Calum Scott, no dia seguinte; Sara Tavares, no dia 25 e Mishlawi, no dia 26 de julho, entre outros nomes do panorama musical.

O Ria de Aveiro Weekend, promovido pela Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro  terminou no dia 7 de julho, mas a Ria e os Concelhos continuam de “portas abertas”, com diversos eventos e atividades, promovendo o património, a tradição e a arte aveirenses.

O C&H viajou a convite da Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.