Quarto dia de Rock in Rio entre a loucura teen com Ed Sheeran e a indie rock dos Arcade Fire

Rock in Rio - Lisboa 2014Reportagem de António Silva, Sara Santos e Tânia Fernandes

Foi em ambiente de festa carnavalesca que os Arcade Fire encerraram o Palco Mundo no quarto dia de Rock in Rio Lisboa. Confettis pelo ar, cabeçudos gigantes no palco e com ritmos festivos despediram-se das cerca de 47.500 pessoas que, segundo a organização, entraram ontem na Cidade do Rock. Face à afluência de dias anteriores, era relativamente fácil circular ontem no recinto.

A pop alternativa dos Unifyer abriu o Palco Vodafone, por onde passaram mais tarde os Capitão Fausto e depois os Wild Beasts. O concerto destas ultimas bandas lotou completamente o espaço frente ao palco.

Este slideshow necessita de JavaScript.

“O António tinha músicas que todos os portugueses conhecem” referiu várias vezes Rui Pregal da Cunha durante o concerto de Homenagem a António Variações preparado especialmente para o Rock in Rio. Esta formação musical que reuniu Gisela João, Linda Martini, Deolinda e Rui Pregal da Cunha deu a conhecer novas versões de músicas que, de facto, temos no ouvido. “Anjinho da Guarda”, pela voz de Gisela João, foi o primeiro tema da tarde. A guitarra clássica deu depois lugar à elétrica com a entrada dos Linda Martini em palco. “Adeus que vou Embora” foi o tema que tocaram para uma cintilante Gisela João. Os Deolinda avançaram para uma “Canção do Engate” que vai ganhando ritmo à medida que avançou e muitos foram os que acompanham a conhecida letra. “O Corpo é que Paga”, “É Amanhã” e “Estou Além”, esta já com a presença de um efusivo Rui Pregal da Cunha, provam que há temas que se mantem atuais volvidos muitos anos. O vocalista dos Herois do Mar anunciou “um momento Velvet Underground” ao abrir uma banana, que trincou em palco e reuniu todos os elementos desta homenagem para uma “selfie”. Despediram-se com um grande coro em “Amália na Voz”.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O histerismo do início da noite deu-se com Ed Sheeran. One man show, com a sua guitarra e milhares de fãs espalhadas pelo recinto dispostas a tudo pela sua atenção.”Hug Me”, ”I came out of bed to see you”, “Ed I don’t wanna die without singing with you” eram algumas das mensagens que se podiam ler nos cartazes erguidos pelas muito jteens espalhadas na frente do Palco Mundo. Há quem tenha feito um desenho gigante do cantor num enorme cartaz, que passou em mãos até à frente de palco. A emoção era grande e havia quem soluçasse de ansiedade. Muitas, mas mesmo muitas, empunhava os telemóveis, com o braço a tremer de emoção, de forma a registar o momento. O britânico, de 23 anos, trouxe boas versões dos seus conhecidos temas, e sem se aproximar muito da frente de palco, foi pedindo para o acompanharem. Grandes coros em “Give me Love”, “I See Fire”e “Sing” que fechou a curta apresentação de Ed Sheeran. “Obrigada por terem vindo, por terem cantado, por terem gritado comigo!” agradeceu antes de sair.

A poderosa voz da neozelandesa Lorde estreou-se em Portugal, nesta edição do Rock in Rio. A multipremiada estrela em ascensão trouxe a sua pop eletrónica, aparentemente pouco conhecida dos presentes, que só reagiram, de forma consistente a “Royals”. Vestida de branco, apoiada nas suas Doc Martens, contorceu-se de forma intensa numa coreografia própria. Com 17 anos, compreende-se alguma insegurança quando enfrenta a multidão com o olhar. Fechou com “Team” e a “A World Alone”.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

“Reflektor”, o mais recente trabalho dos Arcade Fire marcou o concerto. Fizeram-se anunciar com um homem, vestido com um fato espelhado, a deslizar no slide. Uma espécie de personagem criado para personificar este trabalho e avançaram logo com alguns dos temas mais recentes: “Flashbulb eyes”, “Joan of Arc” e “Afterlife”. Com uma cenografia irrepreensível, apresentaram um concerto visualmente mais elaborado. Neste caso, a disposição de espelhos em vários pontos, multiplicou o efeito refletor. Pelo meio, introduziram as mais antigas, conhecidas e muito desejadas ”Rebellion”, “The suburbs”e “Ready to start”. Win Butler e Rézgine Chassagne cantaram um com o outro, mas também um para o outro em “It’s never over” com ele no palco e ela no palanque, rodeada de público. A habitual orquestra que os acompanha de xilofones, violinos, saxofones e demais ritmos ajuda a que esta tenha sido uma grande festa musical, chegando mesmo a sentir-se um pouco do ambiente do carnaval do Rio.
Despediram-se com “Here comes de night time”, seguida de “Wake Up” em ambiente carnavalesco, ainda com o público a cantar.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A Cidade de Rock abre as portas só mais um dia. Hoje, no Palco Mundo os concertos começam mais cedo, às 17h30 com Kika. Segue-se João Pedro Pais em dupla com Jorge Palma, Mac Miller, Jessie J e a fechar, Justin Timberlake.

 

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.