Quadros De Miró Para Ver Em Serralves A Partir De Amanhã

Joan Miró: Materialidade e Metamorfose é o nome da mostra que a Fundação de Serralves abre amanhã ao público, expondo pela primeira vez, uma parte do acervo das obras do pintor catalão, propriedade do Estado Português.

A exposição apresenta cerca de 80 obras de Joan Miró (do conjunto das 85 obras da Coleção propriedade da SLN – Sociedade Gestora do Banco Português de Negócios – BPN, até então guardadas nos cofres da Caixa Geral de Depósitos), na sua maioria desconhecidas do público, e incluindo seis das suas pinturas sobre masonite de 1936 e também seis sobreteixims de 1973, distribuídas ao longo de dois pisos, de acordo com um projeto expositivo de Álvaro Siza Vieira.

A mostra abrange um período de seis décadas da carreira de Joan Miró, de 1924 a 1981. Debruçando-se de forma particular sobre a transformação das linguagens pictóricas que o artista catalão começou a desenvolver em meados dos anos 1920, aborda as suas metamorfoses artísticas nos campos do desenho, pintura, colagem e trabalhos em tapeçaria, explicam os responsáveis pela exposição, nomeadamente “O pensamento visual de Miró, o modo como trabalha com sensações que variam entre o táctil e o ótico e os processos de elaboração das suas obras são observados em detalhe”.

Paralelamente vão decorrer várias iniciativas como uma conferência, no dia 1 de outubro, no Auditório de Serralves, às 18h00, subordinada ao tema “Pintura e Processo” com Robert Lubar Messeri, comissário da exposição, professor e diretor da Càtedra Miró na Universitat Oberta de Catalunya, que vai falar de Miró como um dos pais fundadores do modernismo, e da sua própria interpretação da natureza da pintura. A conferência será em inglês, tem uma lotação de 250 pessoas e um custo de 3 euros.

A par da exposição será também publicado um catálogo ilustrado, com um ensaio da autoria do comissário, e haverá também visitas orientadas.

Joan Miró: Materialidade e Metamorfose vai ficar patente ao público até dia 28 de janeiro, na Casa de Serralves e é comissariada por Robert Lubar Messeri, especialista mundial na obra de Miró.

A exposição pode ser vista de terça a sexta feira, das 10h00 às 18h00, e aos sábados, domingos, e feriados, das 10h00 às 19h00. Os bilhetes estão à venda no local e custam 16 euros (Museu + Miró, com inclui entrada no Parque), e 11 euros para o  Parque + Miró. A entrada é gratuita no 1º domingo de cada mês, entre as 10h00 e as 13h00, e para crianças até aos 12 anos.

Depois de 28 de janeiro, foi já anunciado pelo Primeiro Ministro António Costa, que a colecção fica no Porto, em lugar ainda a anunciar.

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.