OCubo Estreia Exposição Imersiva Misterioso Egito Em Lisboa

A nova criação multimedia do Atelier OCUBO tem por título Misterioso Egito e promete levar o espetador numa viagem pelo Tempo e pela História, até ao tempo dos Faraós. A inauguração está marcada para 21 de abril, no Reservatório da Mãe d’Água das Amoreiras, em Lisboa.

Nesta viagem os exploradores são os visitantes, que contam com a companhia de Ricardo Carriço, que narra a expedição.

“Em Misterioso Egito somos levados a explorar alguns dos momentos e elementos mais simbólicos da civilização egípcia, através de recriações originais de conteúdos e dezenas de imagens de museus e bibliotecas de todo o mundo. Uma experiência única audiovisual que o convida a revisitar o Antigo Egito, : encarnar o papel de exploradores e partir à descoberta.”, diz OCubo em comunicado.

 

A descoberta dos tesouros do Faraó Tutankamon (1922) – que completa 100 anos-, o enigma por detrás da Pedra de Roseta (1799), Ramessés II, O Grande, o complexo das Pirâmides em Gizé, são algumas das “paragens” desta viagem, mas as pinturas, os faraós e os templos, ícones incontornáveis da cultura egípcia, não ficam de fora.
“Misterioso Egito” é uma adaptação criativa de mais de 3 mil anos de história, com o intuito de partilhar o fascínio pela cultura egípcia que nos habitou durante o desenvolvimento deste novo projeto.

O espetáculo tem 30 minutos de duração e combina ainda luz e laser.

As sessões de Misterioso Egipto decorrem de quinta a domingo, às 15h00, 17h00 e 19h00.

Os bilhetes, podem ser adquiridos no local e online e custam 12 euros, visitantes dos 4 aos 17 anos, seniores com mais de 65 anos, estudantes e residentes no concelho de Lisboa pagam 10 euros. O pack de família custa 8 euros por pessoa e é válido para dois adultos e uma ou mais crianças/jovens dos 4 aos 17 anos. O bilhete Premium custa 15 euros, e permite assistir ao espetáculo sentado a partir de uma plataforma flutuante. Crianças até aos 3 anos têm acesso gratuito.

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.