Novo Museu dos Coches Abre Dia 23 de Maio – 110 Anos Depois da Sua Inauguração – Atualizado Com Preços

Reportagem de Elsa Furtado (Texto e Fotos)

Um museu moderno, a apontar para o futuro e que preserva a memória do passado” é assim que os responsáveis vêm o novo edifício onde vai funcionar o Museu Nacional dos Coches, que abre ao público já no próximo sábado dia 23, dia em que o Museu completa 110 anos de funcionamento.

Foram vários anos de polémica, desde o projeto escolhido – da autoria do arquiteto brasileiro Paulo Mendes da Rocha e do atelier de Ricardo Bak-Gordon; ao edifício – as antigas Oficinas Gerais do Exército; ao seu financiamento (entre 39 a 40 milhões de euros vieram unicamente das contrapartidas do Casino de Lisboa); à data da sua conclusão e abertura ao público – o edifício está pronto e sem utilização desde 2012, que agora parecem ter fim à vista.

É um edifício grande, com 15 177 metros quadrados, de vastas paredes brancas, no exterior e no interior, intercaladas com grandes janelas rasgadas, distribuídas estrategicamente ao longo do edifício, no chão – é o betão que sobressai, aqui não há cor, nem distrações, todas as atenções devem e vão estar centradas nas peças em exposição – a verdadeira riqueza deste Museu.

novo_museu_cochesA estrutura e a aparência deste novo edifício em tudo é diferente do anterior, aqui não há tectos decorados, galerias em mármore, ou paredes cor de rosa, com séculos de memórias, aqui há antes espaço, muito espaço e condições para acolher e preservar a coleção de coches do Museu, considerada por muitos especialistas como “A Coleção mais importante do mundo no seu género” – segundo o Secretário de Estado da Cultura Jorge Barreto Xavier.

O novo edifício dispõe de duas grandes alas, uma virada para o rio e outra para a Praça do Museu, com cerca de 6 000 metros quadrados de espaço expositivo, pelas quais vão estar distribuídos 78 coches, entre carruagens, berlindas, cadeiras de passeio, ou coches de procissão.

Na Ala Sul vão estar dispostos os veículos do século XVII ao século XVIII, enquanto que a Ala Norte vai apresentar a coleção de peças do século XIX – cerca de 40, que integra agora 26 carruagens que estavam no núcleo de Vila Viçosa (por falta de espaço em Lisboa), e que vai permitir contar a história dos transportes reais em Portugal, terminando com uma carruagem da Mala Posta – o princípio dos transportes colectivos.

Nas zonas laterais vão estar dispostas 16 vitrines, onde vão estar expostos os fardamentos e acessórios da época respetiva e associados aos coches.

novo_museu_coches-011

O novo museu vai apresentar um novo discurso museográfico, que vai permitir uma nova leitura e observação dos coches, podendo agora” ser vistos e admirados por todos os lados, inclusive por cima, das varandas que atravessam as salas e vão permitir aos visitantes observar e ver os coches como se fazia na época, em que as pessoas íam às janelas para os ver passar”, segundo explicou Silvana Bessone – Diretora do Museu dos Coches, aquando a visita à imprensa.

Complementam ainda a apresentação da coleção projeções multimédia e legendas (em várias línguas, nomeadamente português, inglês, francês, espanhol e mandarim) – mas que só ficam prontas até ao final do ano, tal como a sinalética.

A nova disposição da coleção vai permitir a realização de dois percursos de visita, um mais longo e completo, em que se vêm todas as carruagens e um mais curto (ideal para excursões e visitas de operadores turísticos que têm menos tempo) no qual se vêm apenas as peças mais relevantes de cada época, sendo a passagem do século XVIII para o século XIX feita através de uma abertura entre as duas alas, a meio.

É também nesta parte do novo museu que estão instaladas as oficinas de restauro e as reservas, que poderão ser visitadas mediante pedido prévio e por especialistas. A Biblioteca, o Auditório, o Restaurante, a Cafetaria e a Gelataria ficam instaladas no edifício anexo. Ambos os edifícios vão dispor de lojas do museu, onde vai ser possível adquirir merchandising, livros e outras peças ligadas aos coches e à equitação, mas não só.

A ponte pedonal prevista no projeto, com acesso pela Rua da Junqueira até ao rio só vai estar pronta em 2016.

“Mas e o que vai acontecer ao antigo edifício?” – esta é a pergunta que quase todas as pessoas colocam

coches2015-009Pois bem, “o antigo edifício vai continuar aberto e a funcionar, com oito carruagens em exposição no Salão Nobre, sendo quatro coches e quatro berlindas, vão haver exposições temporárias na galeria lateral relacionadas com a arte equestre e com o cavalo lusitano, e o cavalo árabe, por exemplo, e no piso de cima, vai-se manter a coleção de pintura dos reis de Portugal do século XIX e as salas existentes vão ser remodeladas, vão existir também vitrines com acessórios relacionados com a prática da equitação”, explicou ao C&H Silvana Bessone, que adiantou ainda que nesta nova fase da sua vida, “o edifício vai estar mais focado em relembrar e contar a história da sua função original como Picadeiro Real”.

Completam o conjunto do novo Museu dos Coches e Antigo Picadeiro Real, o Picadeiro Henrique Calado, na Calçada da Ajuda, que vai passar a apresentar espetáculos de Arte Equestre pela Escola Portuguesa de Arte Equestre, e que tem data prevista de abertura para o verão – segundo disse ao C&H o Secretário de Estado da Cultura Jorge Barreto Xavier, avançando a Parques de Sintra (entidade responsável pelo equipamento) com o mês de junho (embora ainda com dia a confirmar).

O Museu vai poder ser visitado das 10h00 às 18h00, de terça-feira a domingo e os bilhetes para o Museu dos Coches vão poder ser adquiridos em qualquer um dos três edifícios, havendo várias modalidades de bilhetes: só para o Museu novo, para o Museu novo e antigo Picadeiro Real, só para o antigo Picadeiro Real e ainda para os espetáculos de Arte Equestre.

O Núcleo do Museu em Vila Viçosa também se vai manter, agora com menos peças, mas remodelado e também com um novo percurso expositivo.

charanga_gnr-001A abertura ao público está marcada para o dia 23 de maio, sendo a entrada gratuita durante este primeiro fim-de-semana, e com um programa muito variado.

No sábado destaque para a atuação da Charanga da GNR, concentração e desfile de carruagens, com início previsto pelas 11h00 e exibição da Escola Portuguesa de Arte Equestre no relvado do Jardim Vasco da Gama pelas 15h00. No domingo, o destaque vai para um desfile de automóveis clássicos, pelas 11h30.

Os bilhetes podem ser adquiridos nos dois edifícios e vão custar até à conclusão e implementação do novo projeto museográfico:

  • Novo edifício do Museu Nacional dos Coches- 6 euros
  • Edifício do Museu Nacional dos Coches no antigo Picadeiro Real- 4 euros
  • Bilhete Coches (Edifício do Museu Nacional dos Coches no antigo Picadeiro Real e novo edifi?cio do Museu Nacional dos Coches)- 8 euros

Preços dos bilhetes depois da conclusão e implementação do novo projeto museográfico:

  • Novo edifício do Museu Nacional dos Coches- 8 euros
  • Edifício do Museu Nacional dos Coches no antigo Picadeiro Real- 4 euros
  • Bilhete Coches (Edifício do Museu Nacional dos Coches no antigo Picadeiro Real e novo edifício do Museu Nacional dos Coches) -10 euros

As entradas são gratuitas para crianças até aos 12 anos, desempregados, entre outros e descontos de 50% no bilhete para visitantes com idade igual ou superior a 65 anos; visitantes com cartão jovem ou cartão de estudante e famílias numerosas (2 adultos + filhos) e ainda 50% de desconto no Bilhete Fami?lia (a partir de 4 elementos com ascendência ou descendência em linha reta).

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.