Natal 2019: Livros – O Presente Perfeito

Oferecer um livro não é apenas um presente. Um livro é uma viagem. Do policial ao romance, dos best sellers internacionais aos sucessos portugueses, o C&H deixa-lhe algumas (ótimas) sugestões para um presente de Natal intemporal.

De José Rodrigues dos Santos sugerimos a mais recente aventura de Tomás de Noronha – Imortal, com a chancela da Gradiva.

Baseado na pesquisa científica mais avançada, José Rodrigues dos Santos mostra como a ciência está perto do seu maior feito: “Acabar com a morte”.

Um cientista chinês anuncia de surpresa o nascimento de dois bebés geneticamente modificados. Logo a seguir é raptado. A imprensa internacional interroga-se, os serviços secretos mexem-se.
Tomás Noronha é interpelado em Lisboa por um desconhecido. Pertence à agência americana de tecnologia, DARPA, e revela-lhe um projeto secreto inspirado no Homem Vitruviano, de Leonardo da Vinci.
De repente, o apartamento onde ambos se encontram explode e o metro para onde fogem sofre uma colisão mortífera. O mundo parece enlouquecer e Tomás torna-se testemunha do maior acontecimento da história da humanidade.
Transcendência.
A nova aventura do grande herói das modernas letras portuguesas mostra-nos o momento em que a máquina supera o homem. A Singularidade.
Estará a humanidade à beira do fim?
Ou perante um novo início?

O livro, de 512 páginas, está à venda por 22 euros.

Da aclamada autora Isabel Allende, Longa Pétala de Mar, com selo Porto Editora.

«Isabel Allende propõe-nos uma viagem através da História do séc. XX, pela mão de personagens inesquecíveis que descobrirão que numa só vida cabem muitas vidas e que, por vezes, o difícil não é fugir, mas regressar.»
Espanha, final da década de 1930. A vitória iminente das tropas franquistas na Guerra Civil obriga milhares de pessoas a abandonar o país, numa perigosa viagem através dos Pirenéus. Entre eles, Roser Bruguera, uma jovem viúva, e Víctor Dalmau, médico e irmão do falecido marido de Roser.
Em França, conseguem embarcar no Winnipeg, um navio fretado pelo poeta Pablo Neruda que transportou mais de 2 mil espanhóis até ao Chile – essa «longa pétala de mar, de vinho e de neve» –, onde são recebidos como heróis.
Víctor e Rosa integram-se com sucesso na vida social do país de acolhimento, durante várias décadas, até ao golpe de Estado que derruba Salvador Allende, parceiro de xadrez de Víctor Dalmau. Os dois amigos de toda uma vida voltam a ser obrigados ao exílio, mas, como diz a autora, «se vivermos o suficiente, todos os círculos se fecharão.»

O romance, de 392 páginas, está à venda por 18,80 euros.

Da autora best seller do Sunday Time, lançado em setembro deste ano, No Escuro, um thriller de Cara Hunter, com selo Porto Editora. «Um livro em que ninguém é o que aparenta e que mostra que o terror pode viver na porta ao lado»

Uma mulher e uma criança são encontradas fechadas numa cave, em risco de vida. Ninguém sabe quem são; a mulher não consegue falar e nenhuma descrição de pessoas desaparecidas corresponde aos perfis das vítimas.
O proprietário da casa, velho e muito confuso, jura que nunca as viu. À medida que a polícia desespera por pistas, Fawley recorda-se de um caso antigo, nunca resolvido, que também envolveu uma criança e uma mulher desaparecida.
Curiosamente, tudo se passou numa tranquila rua de Oxford. E os moradores estão em choque: como pode tal ter acontecido debaixo dos seus narizes? Mas o detetive Adam Fawley sabe que nada é impossível. E ninguém é tão inocente como parece.

Com 368 páginas, o livro está à venda por 17,70 euros.

Ainda da Porto Editora, o romance histórico A Rede de Alice, da autora americana Kate Quinn. Parcialmente baseado numa rede de espionagem verídica, o livro foi um dos mais vendidos aquando da sua publicação nos EUA.

Trinta anos depois, atormentada pela traição que acabaria por ditar o fim da Rede de Alice, Eve passa os dias embriagada e isolada do mundo na sua decadente casa, em Londres. Até ao dia em que uma jovem americana lhe bate à porta e a recorda de um nome que Eve tudo tem feito para esquecer.
1947
No caótico pós-Segunda Guerra Mundial, a jovem americana Charlie St. Clair está grávida, solteira e a um passo de ser expulsa do seio da sua conservadora família. Mas Charlie está mais preocupada com o que terá acontecido à sua querida prima Rose, desaparecida em França durante a ocupação nazi.
Por isso, quando os pais a mandam para a Europa para resolver o seu «pequeno problema», Charlie troca todas as voltas do previamente combinado e desembarca em Londres, determinada a descobrir a prima que adora como a uma irmã.
Um ano depois do início da Primeira Guerra Mundial, Eve Gardiner deseja com todas as suas forças lutar contra os alemães o que, inesperadamente, acabará por acontecer quando é recrutada para servir os interesses Aliados como espia.
Enviada para uma zona ocupada de França, é treinada pela fascinante Lili, nome de código Alice, a rainha das espias, que lidera uma vasta rede de agentes secretas a operar mesmo debaixo do nariz do inimigo.

O romance, de 480 páginas, está à venda por 18,80 euros.

Com 8 milhões de livros vendidos, Sete Maravilhas Mortais, de Matthew Reilly, com chancela TopSeller, traz-nos um «segredo antigo, uma equipa de heróis, a aventura de uma vida».

Há 4500 anos, existia uma magnífica pedra dourada no topo da Grande Pirâmide de Gizé. Essa pedra continha um enorme poder, e quem a tivesse na sua posse no dia da Rotação do Tártaro, um raro fenómeno solar, poderia dominar o planeta. O último homem a beneficiar desse poder foi Alexandre, o Grande, que mais tarde a dividiu em sete peças, escondendo cada uma no interior das Sete Maravilhas da Antiguidade.
Agora, na iminência da repetição do raro fenómeno solar, as maiores potências do mundo competem para localizar as sete peças desaparecidas e reconstruir o cume da pirâmide, com vista a alcançar o maior prémio de todos: o domínio do mundo durante mil anos. Mas um grupo de oito pequenas nações, liderado pelo comando australiano Jack West, reúne-se para impedir que isso aconteça.
Começa, assim, a maior caça ao tesouro de todos os tempos — uma série de missões alucinantes em que Jack e a sua equipa terão de enfrentar espaços armadilhados, pântanos infestados de crocodilos e forças do mal numa verdadeira corrida contra o tempo para salvar o mundo.

O livro, de 424 páginas, está à venda por 21,90 euros.

Também da Topseller A Rapariga em Fuga, de Joanna Rees, transporta o leitor para os anos 20 e traz-nos «uma história fascinante repleta de intriga, com um forte dramatismo e personagens envolventes.»

Uma estória intensa e envolvente que nos transporta para a cidade de Londres dos anos 1920, marcada pela extravagância, por conflitos laborais e pela luta persistente e corajosa das mulheres rumo à conquista de direitos e da independência.
Anna Darton está em fuga, após ter sido forçada a cometer um crime terrível. Sozinha e assustada, encontra Nancy, uma moderna e irreverente corista de um famoso clube noturno londrino, que a arrasta para o seu mundo hedonista de dança, festas e moda. Anna vê, assim, a possibilidade de recomeçar a sua vida e de tentar esquecer um passado marcado por crueldade, domínio masculino e violência.
Reinventa-se, então, como Vita Casey, uma artista determinada e ambiciosa cuja fama ascendente promete levá-la muito longe. Quanto conhece o encantador Archie Fenwick, Vita vê a sua esperança renascer, acreditando na promessa de amor incondicional que ele lhe faz. Porém, sem se aperceber, o passado que Vita tanto se esforça por enterrar regressa para a assombrar.
Agora, as pessoas que lhe são mais próximas começam a sofrer. Terá Vita a coragem de confrontar os segredos do passado e, ainda assim, evitar perder tudo aquilo que alcançou?

O livro, de 400 páginas, está à venda por 18,80 euros.

Da Editorial Presença, o thriller histórico O Colecionador de Quadros Perdidos, do autor italiano Fabio Delizzos.

O mercador de arte ao serviço do duque Cosimo De’ Medici anda em busca de pinturas consideradas heréticas pela inquisição. Crimes diabólicos estão a ser perpetrados na cidade eterna durante o conclave.
Quem se esconde por trás do pintor maldito conhecido como anónimo? Roma, maio, 1555. Raphael Dardo, agente secreto e mercador de arte ao serviço de Cosimo de’ Medici, recebe uma missão: apropriar-se de obras de arte que a Inquisição considerou heréticas, antes que estas sejam destruídas. É isso que o traz a Roma, nos dias em que a Cidade Eterna aguarda ansiosamente a eleição de um novo papa. Ao regressar de uma das suas rondas em busca de pinturas, Raphael assiste a uma cena macabra: o corpo sem vida de uma jovem está a ser retirado do rio Tibre.
O seu rosto, de uma enorme beleza, é bem conhecido na cidade, porque a rapariga posara como modelo para vários pintores famosos. O Santo Ofício está convencido de que a pessoa responsável por este assassinato é um artista misterioso e insociável, cujas pinturas são tidas como obra do diabo. Ninguém lhe conhece o rosto, mas toda a gente o trata por o Anónimo.
Por entre mosteiros e bordéis, tabernas e labirintos subterrâneos, Raphael Dardo começa a seguir o rasto do pintor maldito, conhecendo pelo meio mulheres diabólicas, artistas loucos, colecionadores extravagantes e hereges satânicos. Mas rapidamente se vê emaranhado em algo bem mais perigoso do que previa. Quem é o Anónimo? E por que motivo todos o perseguem?

O livro, da coleção Grandes Narrativas da Editorial Presença, tem 384 páginas e está à venda por 18,90 euros

E ainda, da Editorial Presença, o thriller histórico A Casa dos Livros Proibidos, da autoria de Olalla García.

Alcalá de Henares, 1572. A jovem livreira Inés Ramírez fica viúva e tem de assumir o controlo do negócio familiar. Depressa descobre que o seu marido possuía a chave de acesso ao único exemplar de um livro proibido, cujo desaparecimento, séculos antes, tinha sido ordenado pelo poder político e pela igreja.
Com a colaboração de Pierre Arbús, um impressor de livros francês, ela dá início à investigação. Terá de lidar com personagens de todo o tipo: mestres impressores, eruditos, delinquentes, nobres… E tudo sob a sombra omnipresente da Inquisição, capaz de tudo para controlar o pensamento e a palavra, e da rigorosa política de censura de Filipe II (I de Portugal).
«Romance de intriga histórica, esta magnífica obra transporta-nos para uma época em que imprimir, vender e ler livros eram atividades extremamente perigosas. Além de uma viagem às origens da indústria do livro é também uma homenagem a todos os escritores, impressores, editores, livreiros e leitores que há séculos dão vida à melhor forma alguma vez inventada para divulgar o conhecimento e a cultura: o livro.»

O romance, de 424 páginas, está à venda por 19,90 euros.

Do premiado autor português João Tordo, A Noite Em Que o Verão Acabou, editado em novembro pela Companhia das Letras.

O QUE ESCONDE LEVI WALSH?
14 de Setembro de 1998. O dia em que Chatlam, uma pequena vila americana, acordou em choque com o homicídio de Noah Walsh. O principal suspeito: a sua filha de dezasseis anos.
No Verão de 1987, o adolescente Pedro Taborda apaixona-se por Laura Walsh, a filha mais velha de um magnata nova-iorquino. Ela e Levi – uma criança misteriosa – passam férias com os pais no Lagoeiro, uma pacata cidade algarvia. Rica e moderna, a família Walsh tem tudo para dar muito nas vistas no sul de Portugal. Inebriado pelas formas perfeitas e pelos modos ousados de Laura, Pedro encontra na rapariga americana o seu primeiro amor. Mas quando o Verão acaba, a família Walsh regressa aos Estados Unidos e o destino fica por cumprir.
Dez anos depois, Pedro, decidido a tornar-se escritor, vai estudar para Nova-Iorque. Fascinado com Gary List, antigo prodígio das letras americanas, chega aos Estados Unidos determinado a perseguir os sonhos da juventude. Ao reencontrar Laura, está longe de suspeitar que esse acaso o mergulhará no crime mais falado dos anos noventa, o homicídio do milionário Noah Walsh.
Com um segundo homicídio a atrapalhar a investigação e uma corrida para salvar Levi, de apenas dezasseis anos, acusada de matar o pai, Pedro e Laura enredam-se irremediavelmente na teia de segredos que envolve a família Walsh, desde os anos quarenta do século XX até ao impensável desfecho nas primeiras décadas do novo milénio.
Porque em Chatlam – e neste thriller imparável – nada é o que parece.

O livro, de 672 páginas, está à venda por 22,00 euros.

O romance A Maldição do Marquês, de Tiago Rebelo, com chancela Edições ASA, traz-nos «uma vertiginosa viagem pelo século XVIII baseada em factos verídicos».

José Policarpo de Azevedo, criado de um dos fidalgos mais poderosos do reino, condiciona involuntariamente os mais dramáticos acontecimentos, que mudaram Portugal no século XVIII. D. José reina, mas delega todas as decisões no omnipotente marquês de Pombal, que trava uma guerra de morte com a velha nobreza e os padres jesuítas.O terramoto que arrasa Lisboa, a revolta dos índios brasileiros e o atentado contra o rei são oportunidades históricas aproveitadas com exímia mestria política pelo maquiavélico marquês de Pombal para ganhar definitivamente o poder.Mas, a todo o momento, a obscura figura de José Policarpo de Azevedo intromete-se nos planos do homem forte do reino, que inicia uma longa e implacável perseguição para o capturar e executar. O destino do único e misterioso sobrevivente do massacre dos Távora, mantido em segredo durante séculos, é finalmente revelado.Baseado em factos verídicos A Maldição do Marquês é uma descrição imparável das intrigas palacianas e das lutas pelo poder; dos casamentos, das traições e das luxúrias na Corte de D. José; e também uma secreta e improvável história de amor capaz de sobreviver a todas as provações.

O livro, de 576 páginas, está à venda por 18,90 euros.

Boas Festas! Boas Leituras!

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.