Músicas do Mundo Arrancou Ontem em Porto Covo

FMM2015_dia1Reportagem de Ana Rodrigues (Texto e Fotos)

A emblemática Vila de Porto Covo volta a ser palco de mais uma edição do Festival Músicas do Mundo, que arrancou ontem à noite. O FMM Sines assinala este ano a sua 17° edição, trazendo novamente ao Sudoeste Alentejano a riqueza da música popular que se faz no mundo. O Festival realiza-se de 17 a 25 de julho, sendo que entre os dias 17 e 19 o palco é Porto Covo e de 20 até 25 Sines, oferecendo perto de 50 espectáculos a quem o quiser visitar.

Para quem é novo nestas andanças, é importante vir com espírito aventureiro, preparado para descobrir todas as riquezas que o Concelho de Sines tem para oferecer. Recentemente considerada como uma das 10 mais belas praias do Mundo pela edição francesa The Huffington Post, entre a praia de Porto Covo e o mapa circundante, poderá variar entre campo ou mar durante o dia e muita dança pela noite fora, muito calor humano e um espirito familiar contangiante.

A 17° edição do festival FMM tem este ano um programa direccionado para três áreas fundamentais: as músicas urbanas, as misturas e a divulgação das expressões minoritárias ou ameaçadas, reflectindo mais uma vez a consciência da cultura global que o caracteriza.

Ontem à noite, foi Janita Salomé que abriu o Festival, sendo já um repetente nestas andanças, ofereceu a todos os presentes um banho de Portugal, com poemas de grandes autores portugueses e a companhia do Coral Atlântico e a formação cultural de Sines.

[satellite post_id= auto=on caption=off thumbs=on]

 

Da Turquia, Occitânia e Líbano vieram os Forabandit, um trio formado em 2009 por Sam Karpienia, cantor e intérprete de bandolim, Ula? ?zdemir, cantor e tocador de baglama e Wassim Hallal na percussão, com uma fusão de estilos entre o ocidente e o oriente que apaixonou o público.

Esko Järvelä Epic Male Band, uma banda de folk rock de Helsínquia encerrou esta primeira noite, com Esko Järvelä no violino, Anssi Salminen e Jani Kivelä nas guitarras, Juho Kivivuori no baixo e Janne Mathlin na bteria. Foi o momento alto da noite com uma mistura das tradições folk escandinavas e transatlânticas, tango nuevo, country rock americano e free jazz que meteram todos os presentes a dançar.

Com a qualidade desta abertura, será caso para dizer, não percam os próximos episódios, porque nós também não!

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.