MUHNAC Apresenta Exposição E3 – Einstein, Eddington, Eclipse – 100 Anos Depois

O Museu Nacional de História Natural e da Ciência da Universidade de Lisboa (MUHNAC-ULisboa) celebra os 100 anos do Eclipse de 1919, e apresenta da exposição E3 – Einstein, Eddington e o Eclipse – 100 Anos Depois, que estará patente ao público até ao dia 8 de setembro de 2019.

No próximo dia 29 de maio de 2019 celebra-se o centenário do eclipse solar total de 1919, que levou duas equipas astronómicas britânicas a fazer observações no Sobral, Brasil e na Ilha do Príncipe, então colónia portuguesa e atualmente República de S. Tomé e Príncipe, com o intuito de observar o eclipse solar total de 29 de maio de 1919 e testar uma das previsões da teoria da relatividade generalizada de Einstein.

A exposição, com curadoria de Ana Simões, centra-se, então, nas peripécias das viagens destas duas expedições, que levaram o astrónomo Arthur Stanley Eddington e o seu colaborador Edwin T. Cottingham à ilha do Príncipe, e os astrónomos Andrew C.C. Crommelin e Charles R. Davidson ao Sobral, no Brasil.

As fotografias tiradas ao conjunto de estrelas por detrás do Sol, permitiram testar o encurvamento dos raios luminosos, ao passarem perto de grandes massas gravitacionais. Nestas expedições cruzaram-se ciência e tecnologia, geografia e impérios coloniais, política e religião e, ainda, redes de atores científicos e elites locais, atores anónimos e audiências variadas.

A exposição integra as celebrações organizadas por Eddington@Sundy, que tem como epicentro o legado científico da Roça Sundy, onde decorreram as observações de Eddington, repercutindo-se em vários eventos em Portugal, Brasil, e Inglaterra. A Universidade de Lisboa (ULisboa), através da sua Faculdade de Ciências e do Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia, realiza ainda um ciclo de colóquios, visitas guiadas ao Observatório Astronómico de Lisboa e observações celestes.
A Sociedade Portuguesa de Física também se associa a estas celebrações com a publicação de um número da Gazeta de Física especialmente dedicado a esta temática.

Entre os objetos expostos no museu vão estar um telescópio da época, as chapas fotográficas obtidas da protuberância solar na ilha do Príncipe, o livro de visitas do OAL assinado pelos astrónomos que conduziram as expedições científicas ao Sobral e à roça Sundy e correspondência trocada com o observatório astronómico português.

A exposição vai estar patente ao público até dia 8 de setembro de 2019, e pode ser visitada de terça a sexta, das 10h00 às 17h00 e aos fins de semana das 11h00 às 18h00. Os bilhetes para adultos custam 5 euros e para famílias 12,50 euros, e podem ser adquiridos no local.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.