Mudanças dos Coches Começaram Hoje em Belém

Reportagem de Elsa Furtado (Texto e Fotos)

coches2015-010[dropcap]Q[/dropcap]uem andou a passear ou passou por Belém hoje de manhã, pode assistir desde cedo ao início das mudanças no Museu Nacional dos Coches, do antigo Picadeiro Real – edifício contíguo ao Palácio de Belém, inaugurado pela Rainha Dona Amélia em 1905, para o novo edifício localizado do outro lado da rua, onde ficavam antigamente as Oficinas Gerais do Exército.

Depois de algumas mudanças mais discretas, ao nível das reservas (fardamentos, selas e arreios, entre outras) e do acervo de documentação, eis que finalmente chegou a vez das peças principais começarem a ser mudadas – os coches, (que fazem desta uma colecção única no mundo, de viaturas de gala e de passeio do século XVII ao século XIX, na sua maioria provenientes dos bens da coroa ou propriedade particular da Casa Real portuguesa).

O primeiro a mudar de instalações foi a Landau do Regicídio, datado de final do século XIX, onde seguiam o Rei D. Carlos I e o príncipe herdeiro D. Luís Filipe, aquando o atentado, e que ainda hoje conserva as provas deste momento que marcou a História de Portugal, os restantes vão ser mudados aos poucos a partir de hoje e até maio.

O novo edifício do Museu é da autoria do arquiteto brasileiro Paulo Mendes da Rocha e do atelier Bak Gordon Arquitectos, tem projecto museológico da autoria do arquitecto Nuno Sampaio, e é composto por dois edifícios, com duas salas de exposição permanente, sala de exposições temporárias, auditório, serviço educativo, laboratório, oficinas de restauro, zonas técnicas e administrativas, uma sala de documentação e biblioteca, arquivo, um restaurante panorâmico, uma cafetaria, e dois espaços para lojas com artigos do museu, distribuídos por quatro pisos.

Com paredes brancas, blindadas, janelas grandes, estrutura quadrada e suspensa, o museu vai ocupar uma área total de cerca de 15.177 metros quadrados, dos quais 11.800 metros quadrados estão destinados à área expositiva e o restante para oficinas de manutenção e conservação das peças e serviços.

coches2015-013

Uma das suas principais características é a pouca luz natural que vai entrar no edifício, devido aos cuidados a ter com as peças, como o “O Coche dos Oceanos”, restaurado por altura da Expo 98, a Berlinda de D. Maria I, uma liteira do século XVIII, a “Sege das Plumas”,  que vão estar expostas no piso térreo do novo edifício, num contexto em que as suas cores e características artísticas vão estar em evidência e com mais espaço livre à sua volta.

Na altura da apresentação do projecto Paulo Mendes da Rocha disse que “Este vai ser um museu pouco usual, onde tudo o que está exposto é o que é …. e em que o que sobressai é a obra de arte”.

“O novo Museu dos Coches vai contar com dois percursos de visita, que incluem dois espaços com tempos diferentes de visita”, explicou na altura do lançamento da primeira pedra, em 2010, ao C&H, a sua diretora, Silvana Bessone, que disse ainda na altura que: “O novo espaço vai ter em exposição cerca de 76 viaturas do acervo do museu, ficando as restantes 44 viaturas, de caça e da região no núcleo de Vila Viçosa, e 10 carruagens do século XVIII no edifício do actual museu, do outro lado da rua, a fim de preservar a memória”.

Vão complementar a programação do Museu, espetáculos de Arte Equestre pela Escola Portuguesa de Arte Equestre (EPAE), a terem lugar no Picadeiro Henrique Calado,  na Calçada da Ajuda, apenas a cem metros de distância, e com capacidade para algumas centenas de espectadores e que vai ser gerido pela Parques de Sintra Monte da Lua.

O novo edifício do Museu Nacional dos Coches foi construído com verbas da contrapartida da construção do Casino de Lisboa, e foi apresentado ao público em julho de 2008, a primeira pedra foi lançada em 2010, com a Ministra Gabriela Canavilhas, e ficou concluído em 2012. A data de inauguração está marcada para dia 22 de maio, e a abertura ao público marcada para 23 de maio, data do 110º aniversário da sua inauguração.

O novo museu vai integrar o circuito museológico do eixo Belém-Ajuda, a par do Museu de Arte Popular, do Picadeiro, Museu de Arqueologia, Palácio da Ajuda, Jardim Botânico da Ajuda, Jardim Tropical de Belém, Mosteiro dos Jerónimos, Museu da Marinha e Observatório Gulbenkian, Museu da Presidência, Museu de Etnologia, CCB, Padrão dos Descobrimentos e Torre de Belém.

Nota: Até à abertura do novo edifício o Museu Nacional dos Coches vai continuar aberto ao público e a funcionar nas instalações atuais.

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.