Mostra A Brasileira Do Chiado Café Museu Para Ver No MNAC

Até 26 de setembro é possível ver a mostra A Brasileira do Chiado Café Museu 1925-1971 na Galeria 5 do Piso 0 do MNAC, em Lisboa, que conta com curadoria de Maria de Aires Silveira, e Raquel Henriques da Silva.

Lembro-me bem do Viana, sentei-me muitas vezes na mesa dele, gostava muito dele. Tinha um atelier aqui na rua que desce até S. Bento, era uma casinha pequenina lá em baixo e ele tinha a mesa com a composição dos objetos que estava a pintar. Disso lembro-me bem. Eu gostava imenso dele, era forte, e depois tinha um chapéu como o Picasso também usava. E estava muito na Brasileira era um daqueles em cuja mesa eu me sentava.
(…) Eram mesas em que estavam o Viana, o Almada, a Vieira da Silva e o Arpad também apareceram lá. Havia uns grupos e havia uns PIDES. Mas era um ponto de encontro, era a Brasileira. A Brasileira realmente tinha uma vida especial.

Manuel Baptista, 29-10-2020

Nesta mostra destacam-se as onze pinturas que decoram a Brasileira, da autoria de prestigiados artistas portugueses desde 1971, quando foram encomendados por um júri de críticos de arte conceituados, e que vieram substituir a primeira selecção de quadros expostos no café lisboeta desde a inauguração em 1926 até 1970; algumas pinturas modernistas de Almada Negreiros e António Soares exibidas em 1925, um conjunto de documentação em grande parte inédita da decoração de 1971, 13 ampliações fotográficas, reprodução de fotografias de José Luís Madeira (1948-2012), que retratam a colocação das pinturas nas paredes de A Brasileira, exactamente na noite de 26 de Junho de 1971.

A celebração dos 50 anos da segunda decoração de A Brasileira com quadros de artistas modernos foi a razão de ser da exposição no Museu Nacional de Arte Contemporânea e do seu catálogo.

“Este projecto é uma celebração e um alerta: celebramos o futuro da Brasileira do Chiado e das suas heranças para a história da arte portuguesa e alertamos para a urgência de salvaguardar e estudar os espólios de personalidades que, sendo nossas contemporâneas, estão sujeitas a um processo injusto de esquecimento.”, afirmam os seus responsáveis.

Acompanha a mostra um catálogo: A Brasileira do Chiado. Café-museu 1925-1971, realizado com o apoio da empresa gestora do café, Valor do Tempo, e, a Fundação Millenium bcp, dividido em três núcleos, que abordam a criação do café-museu em 1925 e 1971.

A mostra pode ser vista de terça-feira a sexta-feira, das 10h00 às 18h00; e sábado e domingo das 10h00 às 14h00 e das 15h00 às 18h00. Os bilhetes para o museu custam 4,50 euros e podem ser adquiridos no local.

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.