13ª edição da Monstra homenageia Húngria

monstra_cartazA Monstra – Festival de Animação de Lisboa vai realizar a sua 13ª edição entre 13 e 23 de março próximos, na qual a Húngria é o país homenageado, e reúne pela primeira vez, competição de longas e curtas-metragens.

A homenagem à Húngria, que celebra 30 anos sobre a realização da sua primeira longa metragem em pintura animada, Tempo Heróicos (1984) por József Gemes,  vai incluir também exposições e retrospectivas de realizadores como Ferenk Cakó, Marcell Jankovics ou Áron Gauder, a exibição de filmes históricos e obras de escolas húngaras de animação, como do MOME | Moholy-Nagy University of Art and Design.

A animação húngara é “considerada como uma das cinematografias de animação mais inspiradas e menos alinhadas com ambos os blocos mundiais, tanto temática como esteticamente”, afirmou Fernando Galrito, diretor artístico da Monstra.

A retrospectiva da animação húngara da Monstra vai incluir obras da nova geração de realizadores, entre os quais Réka Temple, Geza Tóth, Béla Klingl, Alexei Alexeiev, Áron Gauder, e dos “grandes mestres”, como Ferenc Rófusz, Ferenk Cakó, Marcell Jankovics, Istvan Orosz, Csaba Varga, ou György Kovasznai.

As masterclasses previstas para este ano vão incluir os estúdios Aardman (Reino Unido), com a presença das personagens Wallace & Gromit e um workshop que presta homenagem ao realizador canadiano Norman McLaren, sobre os 100 anos do seu nascimento, formações em pintura sobre o vidro, animação em areia, animação digital, a avenida animada, e masterclasses “conduzidas por reconhecidos autores internacionais” sobre a música para a animação, o mapping e a animação 3D.

Este ano, e pela primeira vez, a Monstra vai juntar as competições de curtas e de longas-metragens, que até aqui alternavam anualmente e que este ano terá duas secções competitivas.

A existência de mais longas-metragens “e com mais qualidade”, permite “uma boa programação anual, sem perder a qualidade a que o Festival habituou os espectadores”, explica Fernando Galrito. Por outro lado vai haver ainda a competição de estudantes, curtíssimas e a competição Portuguesa, com o Prémio SPA | Vasco Granja.

A edição deste ano recebeu mais de 1.400 filmes, o dobro do ano passado, oriundos 69 países.

Ainda este ano, a Monstra conta com outra novidade, o encontro O Cinema para além dos Écrãs, onde se visa reflectir sobre a relação entre o cinema de animação com as outras artes, que vai reunir especialistas de várias áreas, desde jogos, a mapping, dança, performance, generatividade, e a realidade aumentada, e onde serão abordadas as novas utilizações do cinema de animação.

O programa prevê a exibição, na secção históricos, de Animal Farm, baseado na famosa obra de George Orwell, que celebra 60 anos, A Pantera Cor-de-Rosa, que completa 50 anos e a primeira curta-metragem, da animada dupla inglesa Wallace & Gromit, o filme Grand Day Out, que este ano celebra 25 anos, e que vai contar com a presença dos actores principais.

A Monstra dos mais novos – A Monstrinha vai pôr em destaque para os maiores de 13 anos o filme que relata um dia na vida de Cupido e a história do pequeno Kali, um vampiro que queria ser como os outros meninos. Para o grupo entre os 7 e 12 anos, anos, a Augusta, uma senhora húngara feita de plasticina, vai ensinar a fazer uma sopa, e uma mãe que é um avião.

O programa para as idades entre 3 e 6 anos traz a história de uma bruxa que convida os animais a darem um passeio na vassoura, e a história de Masha que transforma a cozinha do urso numa fábrica de doces.

A Monstra, através da associação a vários agrupamentos escolares da cidade de Lisboa e do sul do Tejo, prevê este ano chegar a cerca de 15 mil crianças. As sessões para pais e filhos vão ter lugar nos dois fins-de-semana do festival, nos cinemas São Jorge e City Alvalade.

A sessão oficial de abertura do Festival vai ter lugar no dia 14 de março, com a exibição de um filme inédito, numa obra que reúne diversos artistas, e tem como tema os 40 anos do 25 de Abril e os 40 anos do cubo de Rubik (matemático húngaro).

Para já, no âmbito da Monstra 2014, o Museu da Marioneta em Lisboa está a apresentar a Exposição Poseso, “uma viagem ao mundo onírico e surrealista da SAM multipremiado realizador valenciano, que apresenta pela primeira vez ao mundo originais da sua longa metragem com o mesmo nome e ainda em fase de pós-produção”.

Texto de Catarina Delduque

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.