Momentum dos Mayumana é exemplo de espectáculo de sincronia, música e dança

As duas ampulhetas dos dois lados do palco do auditório do Casino Lisboa marcam a hora do início do espectáculo Momentum do grupo de origem israelita Mayumana, que pela quarta vez brinda Portugal com as suas actuações.

O espectáculo, que dura aproximadamente uma hora e meia, é um exemplo de sincronia, ritmo, onde não faltam os jogos de luzes, também eles absolutamente sincronizados com os ritmos e sons que os elementos do grupo vão produzindo.

Momentum está num patamar diferente dos Mayumana que surgiram nos anos 90 em que a percussão tinha um maior peso no espectáculo, o que lhes conferiu algumas comparações com os norte-americanos Stomp.

Os Mayumana de agora evoluíram para um caminho diferente em que, sem deixar de obter sons dos mais diferente objectos, superfícies ou elementos (como a água), acrescentaram a electrónica, as cordas e as vozes.

A interacção com o público é muito mais presente, o que proporciona alguns dos momentos de comédia do espectáculo, também ela uma novidade.

Sempre a um ritmo alucinante – durante todo o espectáculo os elementos não param – aos sons e ritmos juntam-se também os movimentos, numa coreografia muitas vezes frenética que está na fronteira entre a acrobacia, o contorcionismo e a dança.

Para poder caracterizar melhor os Mayumana poderia dizer que estão entre os Stomp e os Blue Man Group, mas na verdade não têm nada a ver.

É um espectáculo a não perder em cena até 18 de Julho, no Auditório dos Oceanos, no Casino de Lisboa.

Texto de Antónia Barroso
Fotos de Sara Santos

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.