“Mistérios de Lisboa” de Camilo Castelo Branco – as primeiras imagens

No Palácio dos Arcos, em Paço de Arcos , faz-se cinema em português … sob a direcção de um cineasta chileno. Numa co-produção entre Portugal e França, Raúl Ruiz filma um regresso às páginas de Mistérios de Lisboa. escrito em 1854 por Camilo Castelo Branco, para recontar a novela de época, numa longa-metragem e numa mini-série para a RTP.

Romance trágico intemporal, Mistérios de Lisboa atravessa o século XIX e várias gerações, interlaçando enigmas e segredos profundos que se vão desvendando. Filhos bastardos condenados à morte, duelos de honra, fortunas roubadas, vinganças doentias…

Adriano Luz, José Afonso Pimentel, Maria João Bastos, Ricardo Pereira e São José Correia são figuras centrais de uma trama trágica que conta com as participações especiais de Albano Jerónimo, Catarina Wallenstein, Joana de Verona, João Ricardo, Margarida Vila-Nova, Marco de Almeida, Rui Morrison e Sofia Aparício.A estes actores portugueses, junta-se ainda um impressionante elenco internacional, onde se destacam os nomes de Clotilde Hesme, Julien Alluguette, Léa Seydoux, Louis Garrel, Martin Loizillon e Melvil Poupad.

As filmagens arrancaram em Lisboa, em Novembro, e prolongam-se até Março, com algumas cenas a rodar em França, na recta final. A produção do filme e mini-série é de Paulo Branco – Clap Filmes.

Veja aqui o site oficial: Mistérios de Lisboa

Por Cristina Alves

Fotos da Produção

1 Comentário

  1. Vi a série “Mistérios de Lisboa” que passou recentemente na RTP1.
    Devo frizar que gostei, e muito. Por um lado é a obra de um escritor português que eu admiro, e que li desde miúda, por outro os actores e o realizador completam-se.
    Não sei se isto é publicável, mas como dei uma espreitadela aos “Globos de Ouro” da SIC, senti-me feliz com o prémio atribuído aos actores do filme.
    São merecidos.
    É meu desejo que o cinema português, as artes evoluam e que se criem novas oportunidades para divulgar a cultura em Portugal, de modo que não seja apanágio de uma mera minoria endinheirada.
    Até sempre

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.