O Misantropo De Menandro Estreia Hoje No Museu De Lisboa – Teatro Romano

O Misantropo, de Menandro é a peça que sobe hoje à cena no Museu De Lisboa – Teatro Romano em Lisboa, ou dizendo mais corretamente, nas ruínas do teatro romano de Felicitas Iulia Olisipo, numa produção do Teatro Maizum.

A peça de Teatro Clássico tem por base o texto O Misantropo ou Díscolo (Dyskolos, na designação grega), do comediógrafo grego Menandro, escrita cerca de 342-291 a.C. e descoberta apenas em 1952 (quase na íntegra). Insere-se no programa Lusitânia Teatral, que se iniciou em 2016 com a apresentação de A Paz de Aristófanes. .”

É sempre preciso ter – e ter junto de nós – alguém disposto a ajudar-nos.

Cnémon em O Misantropo

“Esta é uma comédia de costumes, de intriga amorosa, mais sentenciosa, mais escorreita”, que veio influenciar toda a comédia feita desde então até aos tempos modernos, segundo explica a encenadora.

Misantropo fala sobre um homem que vive sozinho com sua filha. Seu nome é Cnemon. A mãe desta menina que, ao se casar, já tinha um filho de uma união anterior – Górgias-, deixou o misantropo logo após o nascimento da filha por causa da personalidade intratável dele. Um jovem rico (Sóstrato) apaixona-se pela moça e tenta casar-se com ela, pedindo-lhe a mão ao pai. Este se opõe ao casamento. Sóstrato então conhece Górgias e com ele faz amizade. Górgias, no entanto, nada pode fazer para ajudar seu amigo. A oportunidade de mudar surge quando Cnémon cai acidentalmente em um poço e é ajudado por Górgias. O misantropo, então, comovido pela ajuda desinteressada, cede a mão da filha a Sóstrato. Górgias casa-se com a irmã de Sóstrato e o misantropo redime-se de seu caráter.

 

A peça conta com encenação e direcção de Silvina Pereira, encenadora, dramaturgista, directora artística do Teatro Maizum e investigadora do Centro de Estudos Clássicos da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa; e as interpretações de Bibi Piragibe, Cristina Boucho, Eduardo Frazão, Elisiária Ferreira, Guilherme Barroso, Íris Pereira, João Ferrador, Júlio Martín, Manuel Vieira, Miguel Vasques e Vítor Paiva.

A peça pode ser vista de quinta a domingo, às 21h30, até dia 23 de julho. Os bilhetes podem ser reservados junto do Museu de Lisboa – Teatro Romano (próximo da Sé de Lisboa) através do telefone: 215818530 e custam 5 euros.

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.