É com passos curtos que se movimenta no palco, mas dedos de génio com que fez soar os acordes da guitarra. A meses de dobrar a casa dos setenta, Mark Knopfler despede-se dos palcos, mas não da música. Trouxe a Lisboa jóias da sua coleção, como “Romeo and Juliet” ou “Telegraph Road” mas também temas do mais recente álbum. Uma noite em que o público se rendeu à grande lenda da guitarra e do rock.

Uma Altice Arena, em pé, a cantar em coro “Money For Nothing”, já perto do final, foi o mais próximo que se esteve de um concerto de rock. Porque todo o restante espetáculo soou a mais a masterclass dada por uma das lendas da música. Percebe-se todo o entusiasmo com que divaga nas músicas, a facilidade com que passeia entre notas musicais e o prazer na partilha do momento com os restantes elementos da banda, que o acompanha. Uma pequena orquestra que conta com teclas, guitarra, baixo, piano, flauta, violino, bateria e percussão, saxofone e trompete.

A noite começou com “Nobody Does That”, no recente Down the Road Wherever e depois recuou a Privateering, de 2012 para “Corned Beef City”. Segue-se “Sailing to Philadelphia”, mas é quando o músico entra no período dos Dire Straits que mais se sente a reação do público. Ouviu-se “Once Upon a Time in the West” seguida de “Romeo and Juliet”, com o público a cantar e a aplaudir com emoção, no final de cada uma. 

Apoiado, num banco continua o concerto por temas mais recentes, que lhe permitiram também testar outras sonoridades, como os ritmos latinos de “Postcards from Paraguay” ou o tom de balada em “Heart Full of Holes”. O seu timbre, grave e sussurrado, abraça o recinto e o publico deixa-se embalar.

“Olá Lisboa, é bom estar de volta!” Aproveita para dizer que antes era um jovem e agora está velho, por isso esta visita é também um “Adeus Lisboa”.

Uma despedida, que se prolongou por cerca de duas horas. Depois de “On Every Street” e “Speedway Nazareth” Os aplausos acabaram por levar à ação. O público descolou das cadeiras, e na plateia, as pessoas chegaram-se à frente de palco. O longo “Telegraph Road” foi a primeira despedida antes de um encore que teve um dos maiores êxitos dos anos 80, “Money For Nothing”. Com o público em delírio, a despedida fez-se mesmo com o instrumental “Going Home: Theme from Local Hero”.

Photo©Laura Vilar & doctorkey (IG) – facebook Mark Knopfler

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.