Mariana Gillot convida a uma visita de fantasia em Seteais

Reportagem de Elsa Furtado e Francisco Padrão Mota

mariana_gillot11 “Estou atrasado, estou atrasado … ” diz o Coelho Branco para a Alice, a menina que encolhe ou cresce consoante a poção que bebe, no imaginário de Lewis Carroll.

O mesmo imaginário que inspirou Mariana Gillot na criação da exposição Viagem aos Confins Encantados de Xentra, atualmente patente nos Jardins e no Palácio de Seteais, até 25 de novembro.

Ao todo são 15 peças, dispostas pelos jardins e por algumas salas do palácio barroco, em Sintra, inspiradas em lendas e contos, e essencialmente no mundo de fantasia de Alice in Wonderland, que sempre fascinou a artista, tal como ela revelou aos jornalistas, aquando a apresentação da mostra.

Um fascínio a que se juntam as lendas e a magia que reina em Sintra, e marca os seus monumentos, edifícios, parques e jardins, como é o caso de Seteais e da sua moura encantada, “um lugar muito especial, e de encantar” para Maria Gillot, “que a faz sentir um pouco como a Alice, segundo confidenciou ao C&H.

FPM_0738A artista plástica, residente em Sintra, concretiza nesta exposição um sonho muito antigo : “Expor em Seteais”.

Para dar vida a este sonho, Mariana Gillot escolheu 15 peças muitos especiais, todas elas acompanhadas de um poema ou frase. Umas já existíam – as que se encontram no interior do Palácio, as outras foram criadas especialmente para expor nos Jardins de Seteais.

“Sete Ais”; “Transcendente”; “Catch me!”; “Chave D. Mendo de Paiva; “A Purificação de Septem Aurum”; “Open your heart!”; e a “A Amnésia do Coelho” são as peças que se encontram no exterior, algumas ligadas ao Universo de Alice outras às lenda de Seteais e imaginário sintrense.

No interior, destaque para “Drink me!”; “Dá-me Música”, “Rainha de Copas”; “Aspirando o Amor”; “Bakalhau” e as três “Queens”.

This slideshow requires JavaScript.

Agrafos, moedas, chaves, são alguns dos materiais utilizados para a construção das peças, em que o dourado e o vermelho sobressaem, fazem destas 15 peças exemplares claros das Artes Plásticas contemporâneas nacionais, de que Mariana Gillot é uma representante natural, com o seu estilo e linguagem estética própria. Ela que gosta de mexer com a mão na massa, fazendo de cada peça, uma peça única, com um pouco de si.

Destaque ainda para a instalação do “Chá do Chapeleiro Louco” da Alice no País das Maravilhas, montada propositadamente para a abertura da exposição, nos jardins, bem perto do Relógio do Coelho Branco.

Viagem aos Confins Encantados de Xentra, pode ser vista até 25 de novembro, diariamente, das 10h00 às 18h00, no Tivoli Hotel Palácio de Seteais, em Sintra. A entrada é gratuita.

 

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.