Mafalda Veiga: 30 Anos De Canções Celebrados Ao Vivo No Porto

O mau tempo anunciado para sábado, dia 13, em Lisboa, levou ao adiamento do concerto de Mafalda Veiga no Campo Pequeno em Lisboa, assim, deixamos aqui um breve registo de como foi o concerto no Porto, na noite anterior.

Uma sala (quase) cheia acolheu na sexta-feira a “menina” de Pássaros do Sul. 30 anos volvidos fez-se mulher, lançou dez álbuns, somou sucessos, publicou um livro infantil e continua a apaixonar quem se rendeu a temas como o “Restolho” e ao “Velho”.

22h00, uma pontualidade britânica, e a cantora e atriz Simone de Oliveira enche o palco, numa gigante tela, onde dá voz a Uma Noite Para Comemorar. É este, aliás, o primeiro tema da noite, do álbum Tatuagem, interpretado por Mafalda Veiga.

O espetáculo 30 anos Para Comemorar fez-se de temas portugueses e espanhóis, de letras antigas e recentes, de solos e de duetos, de música e de palavras.

Um dos pontos altos das comemorações foram os duetos com Miguel Araújo e a nova versão de “Planície”; com Rui Reininho e “Gente Perdida”, com letra do vocalista dos GNR, a adaptação de “Luka”, de Suzanne Vega – nome pelo qual a cantautora afirmou ter sido várias vezes confundida e ainda “Praia”, tema apresentado esta semana, e com Jorge Palma e a nova versão de piano e guitarra de “Os Imortais”.

As músicas mais importantes da vida da autora, compositora e intérprete e as mais marcantes para o público foram sendo tocadas, cantadas e sentidas, entre “Cúmplices”, “Gente Perdida”, “Olha Como a Vida é Boa”, “Estrada” e “Cada Lugar Teu”.

Uma primeira despedida da cantora e da banda levou à primeira ovação da noite e Mafalda Veiga regressa a solo para interpretar alguns dos seus primeiros sucessos: “Restolho”, “Velho” e “Balada de Um Soldado” foram entoados por um público rendido à inconfundível voz de Mafalda Veiga.

E o refrão do tema “Olha Como a Vida é Boa”, reescrito para uma noite especial no Coliseu do Porto.

Olha como a vida é boa
Olha como pode ser
Dar-te a mão
Subir qualquer colina de Porto
Só pra ver o sol nascer
Se deixares o tempo voa
Melhor agarra-lo bem
Não desperdiçar nem um segundo
De ti

Não houve segundo desperdiçado. Foram duas horas de concerto, êxitos e sucessos, cumplicidades e uma plateia de pé aplaudindo os 30 anos de canções de Mafalda Veiga e ovacionando a cantautora, a banda e os convidados especiais.

Dia 12 de outubro foi, de facto para comemorar!

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.