MAAT – Museu De Arte, Arquitetura E Tecnologia Com Três Novas Exposições No Edifício Da Central Tejo

O MAAT inaugurou as três primeiras exposições de 2019, todos instaladas no edifício da Central Tejo: Hello, Robot!, The Architecture of Life! de Carlos Bunga Anátema.

Hello, Robot! Do Vitra Design Museum para o MAAT

Hello, Robot. Design Between Human and Machine é a exposição que o MAAT apresenta até dia 22 de abril de 2019, na Central 1, com curadoria de Amelie Klein, Thomas Geisler, Marlies Wirthfredo de Smet (conselheiro curatorial).

A exposição, que examina a atual explosão no mundo da robótica, reúne mais de 200 peças das áreas de design e arte, e contém robôs usados no nosso quotidiano, na medicina e indústria, assim como em jogos de computador, instalações de media, e exemplos cinematográficos e literários.
No futuro o ambiente que nos rodeia será cada vez mais inteligente e autónomo, mas a nossa posição em relação a esta evolução é muito ambígua; oscilamos entre entusiasmo e crítica, esperança e medo, utopia e distopia. E o design tem um papel muito importante nestas dinâmicas, ao assumir um papel de mediador entre humanos e máquinas, entre as diferentes disciplinas e entre as contradições que resultam dessas relações. E esta exposição ilustra a forma como a verdade pode ser encontrada ao mesmo tempo nos dois extremos, uma vez que a evolução da robótica é tanto uma fonte de prazer como de preocupação.
Hello, Robot aborda o modo como o design molda a interação e relação entre os humanos e as máquinas, e entre os próprios humanos. Surgem uma série de questões. Acima de tudo, qual a forma como nós escolhemos lidar com estas novas tecnologias? Como queremos reagir a um ambiente cada vez mais inteligente? e como devemos reagir?

The Architecture of Life!

The Architecture of Life! Environments, Sculptures, Paintings and Films, de Carlos Bunga no MAAT, de 23 janeiro a 20 de maio 2019, na Central 2, conta com curadoria de Iwona Blazwick, é a primeira exposição retrospetiva da obra de Carlos Bunga, em Portugal.

A exposição reúne obras dos seus últimos 15 anos de trabalho e documenta as construções de grande escala criadas e destruídas, como performance, pelo artista, sendo animada por vídeos das suas interações com o mundo material. O artista dá-nos a conhecer ainda três instalações, que foram readaptadas para o espaço do museu, que envolvem o espetador numa complexa experiência espacial. As estruturas escultóricas e pictóricas do artista sugerem a arquitetura como corpo e espaço mental. O trabalho de Bunga conjuga pintura, escultura, performance, vídeo e desenho, numa relação direta com a Arquitetura.

Em paralelo está outra exposição do mesmo artista, Where I am free, na Fundação Carmona e Costa, organizada em parceria com o MAAT, de 22 de janeiro até 26 de março 2019

Anátema, de Ana Santos

Anátema é a exposição que o MAAT apresenta até 20 de maio de 2019, na Sala Cinzeiro 8, com curadoria de Ana Anacleto.

Esta exposição reúne um conjunto de obras inéditas e recentes da artista Ana Santos, distinguida em 2013 com o Prémio EDP Novos Artistas. A sua prática enquadra-se no campo expandido da escultura (na produção de objetos) e assenta na procura de um muito particular estado de atenção. As suas peças resultam de um processo de reflexão sobre as características formais, funcionais, morfológicas ou cromáticas de certos materiais ou objetos encontrados e das relações que entre eles possa querer testar ou estabelecer.
O trabalho de Ana Santos convida-nos a entrar na sala e a disponibilizarmo-nos para ver, para estar no espaço. Pede-nos tempo, demora, capacidade de observação, diz a curadora Ana Anacleto.

O Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia está aberto de quarta a segunda-feira (encerra à terças-feiras), das 11h00 às 19h00.

O bilhete de entrada na Central Tejo ou no MAAT é de 5 euros, sendo 9 euros o bilhete para entrada nos dois espaços, e podem ser adquiridos no local.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.