IndieLisboa Regressa De 26 De Abril A 6 De Maio

Está fechada a programação para a Competição Internacional da 15ª edição do IndieLisboa, que decorre entre 26 de abril e 6 de maio, que vai decorrer no Cinema Ideal, Cinemateca Portuguesa, Culturgest e no Cinema São Jorge.

O programa desta edição abre com A Árvore, de André Gil Mata, e encerra com A Raiva, de Sérgio Tréfaut. E conta com as habituais competições de Longas e Curtas Metragens – Internacional e Nacional; Novíssimos; a Secção Silvestre; Director’s Cut; e as propostas extremas da Boca do Inferno, para além do IndieJúnior dirigido aos mais jovens.

Entre a produção nacional, serão 21 as obras que, na curta e longa metragem que concorrerão aos principais prémios da Competição Naciona: Bostofrio, où le ciel rejoint la terrede Paulo Carneiro; Susana NobreTempo ComumOur Madness de João Viana; de Sandro Aguilar – Mariphasa; de André Gil Mata A ÁrvoreNum País Estrangeiro, de Miguel Seabra Lopes e Karen Akerman; The Great Attractor, de Rita Figueiredo; Histórias de Fantasmas, de Carlos Pereira; Fortuna de Miguel Tavares; Os Mortos, de Gonçalo Robalo, e Mapa-esquisito, de Jorge Vaz Gomes; Self Destructive Boys, de André Santos e Marco Leão; Anjo, de Miguel Nunes; Amor, Avenidas Novas, de Duarte Coimbra; Russa, de João Salaviza e Ricardo Alves Jr.; Sleepwalk, de Filipe Melo; A Barriga de Mariana, de Frederico Mesquita (ou o eterno conflito – ter ou não ter); Instruções Para Uma Revolução de Tiago Rosa-Rosso; Maria Ferreira com Via e Manuel Brito em War of the Worlds.

Vão ser ainda exibidos o documentário homónimo de Pedro Lino, e a família do cineasta Tonino De Bernardi; O Termómetro de Galileu, de Teresa VillaverdeQuantas Vezes Tem Sonhado Comigo?, de Júlia Buisel, O Passageiro, de Luís Alves de Matos; O Homem Pikante, de Edgar Pêra, e A Pedra Não Espera, de Graça Castanheira.

Histórias de ausência, reencontros ou perdas familiares, pontes para a atualidade, novas visões sobre as cidades ou a infância são alguns dos universos nas telas das principais salas.

Tem sido descrita como a obra prima de Alessia Chiesa, esta que é a sua estreia na longa metragem. El Día Que Resistía é um olhar sobre a intimidade de três crianças que, entre as piadas do dia e a tensão aberta pelo cair da noite, retrata o micromundo paralelo da infância afastada das grandes cidades.

Das paisagens bucólicas para a urbe, com Person to Person, a narrativa de Dustin Guy Defa em torno da vida diária de múltiplas personagens nova nova-iorquinas: dos lendários performers Philip Baker Hall e Isiah Whitlock Jr., aos actores Michael Cera e Abbi Jacobson, passando pelos realizadores David Zellner e Benny Safdie.

A Competição Internacional de curtas convida à descoberta de novos cineastas, com mais de 30 filmes em estreia nacional. Destaque para o regresso de Céline Devaux e o seu Gros Chagrin, obra vencedora do Grande Prémio Orizontti Curta Metragem, no Festival de Veneza 2017 e The Men Behind the Wall, de Inês Moldavski, que conquistou o Urso de Ouro na Berlinale 2018.

Em estreia mundial, Doei, de Pien van Grinsven, obra realizada no âmbito de um mestrado com a Lusófona e que mostra uma visão da família atípica, dura mas comovente; Trajectory Drift, de Iván Castiñeiras, onde um contentor de mercadorias se transforma numa soturna babel à deriva, e dois homens recordam a história dos seus exílios.Já o IndieJúnior decorre entre os dias 27 de abril a 6 de maio, com sessões para Escolas e Famílias a terem lugar no Cinema São Jorge, Culturgest, Cinema Ideal e Biblioteca do Palácio Galveias, e destina-se a todas as crianças e jovens dos 3 aos 15 anos com sessões organizadas em dois grupos – Famílias e Escolas – programadas para faixas etários segmentadas: +3 anos, +6 anos, +9 anos, +12 anos e +15 anos. O programa desta secção será anunciado em breve.

O programa do IndieMusic também já está alinhavado e inclui Betty – They Say I’m Different de Phil Cox; Desolation Center de Stuart Swezey;  Ethiopiques. Revolt of the Soul de Maciek Bochniak; French Waves de Julian Starke; Here to Be Heard: The Story of the Slits de William E. Badgley; Hip to da Hop de Antonio Freitas e Fábio Silva; L7: Pretend We’re Dead de Sarah Price; Matangi/Maya/M.I.A. de Steve Loveridge; Milford Graves Full Mantis de Jake Meginsky e Neil Young; Não Consegues Criar o Mundo Duas Vezes/ You Can’t Create the World Twice de Catarina David, Francisco Noronha; Ryuichi Sakamoto: Coda Stephen de Nomura Schible; Studio 54 de Matt Tyrnauer e Teenage Superstars de Grant McPhee.

A festa de antecipação do Indie 2018 tem lugar hoje, e conta com um concerto de Conan Osiris. Os bilhetes estão à venda online e no local por seis euros. As portas abrem às 21h30, as actuações começam às 22h30.

Os bilhetes já estão à venda e variam consoante a sala. Para o Cinema Ideal e Cinemateca Portuguesa, os bilhetes são vendidos na bilheteira central apenas até ao dia anterior da sessão. A troca de convites voucher nas bilheteiras centrais só poderá ser realizada para sessões na Culturgest e no Cinema São Jorge.

Sessões de cinema custam 4 euros (excepto sessões especiais, sessão de abertura, filme concerto e sessões na Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema); Sessões Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema: 3,20 euros; Filme concerto: 15 euros (preço único) e  Sessões IndieJúnior Escolas (para público geral): 1 euro.

Jovens até aos 30 anos, maiores de 65 anos, desempregados(mediante a apresentação de cartão do IEFP)pagam 3,50 euros e os Bilhete Famílias – válido para 4 pessoas nas sessões IndieJúnior Famílias custam 12 euros.

COMPETIÇÃO INTERNACIONAL

Longas Metragens:
An Elephant Sitting Still, de Hu Bo
Baronesa, de Juliana Antunes
El Día Que Resistía, de Alessia Chiesa
Il Risoluto, de Giovanni Donfrancesco
Lembro Mais dos Corvos, de Gustavo Vinagre
Les Garçons Sauvages, de Bertrand Mandico
Person to Person, de Dustin Guy Defa
Pororoca, de Constantin Popescu
The Image You Missed, de Donal Foreman
Three Quarters, de Ilian Metev

Curtas Metragens:
(Fool Time) JOB, de Gilles Cuvelier
A Gentle Night, de Qiu Yang
A Love Letter to the One I Made Up, de Rachel Gutgarts
Afternoon Clouds, de Payal Kapadia
Amor, Avenidas Novas, de Duarte Coimbra
Anina, de Alkaios Spyrou
Area 51, Nevada, USA, Annabelle Amoros
Arr. for a Scene, de Jonna Kina
Beetle Trouble, de Gabriel Böhmer
Coqueluche, de Aurélien Peyre
Dansons Maintenant, de Mathilde Buy
Déjalo Ser, de Novelo Txema
Doei, de Pien van Grinsven
Eight Images From The Life of Nastya Sokolova, de Alina Kotova e Vladlena Sandu
El Cielo de Los Animales, de Juan Renau
Enough, de Anna Mantzaris
Evidence of the Evidence, de Alexander Johnston
Gros chagrin, de Céline Devaux
Have Heart, de Will Anderson
Histórias de Lobos, de Agnes Meng
Matria, de Álvaro Gago
Moulinet, de Sander Joon
Prends Mon Poing, de Sarah Al Atassi
Rabbit’s Blood, de Sarina Nihei
Snow White, de Thadeusz Tischbein
Solar Walk, de Réka Bucsi
Standing Nymph and Man, de Milad Hosseini-Mozari
The Good Education, de Gu Yu
The Men Behind the Wall, de Inés Moldavsky
The Splintering Sun, de Rossella Nisio
Trajectory Drift, de Iván Castiñeiras
Tremors, de Dawid Bodzak
Vando Vulgo Vedita, de Leonardo Mouramateus e Andreia Pires

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.