Imprensa Nacional Recorda 250 Anos De História Através Da Exposição Indústria, Arte E Letras

A Imprensa Nacional apresenta a mostra a exposição História Através Da Exposição Indústria, Arte E Letras 250 Anos Da Imprensa Nacional, dedicada à história da Empresa e que percorre dois séculos e meio de atividade editorial, artística e industrial.

Organizada em 10 núcleos, que seguem uma narrativa cronológica, a exposição “cruza várias dimensões que, não constituindo linhas temáticas, são transversais a toda a leitura histórica, do seu percurso industrial à atividade editorial, da sua dimensão artística ao seu papel formador na área das artes gráficas”.

A exposição destaca ainda “o desempenho de uma missão pública que foi sendo condicionada por diferentes contextos políticos, mas que lhe conferiu sempre um papel estratégico”. Além da história que remonta à sua criação por alvará régio, em 1768, a evocação dos 250 anos da Imprensa Nacional também olha para o futuro, abordando os desafios de inovação, sobretudo os associados à impressão gráfica de segurança e ao acesso ao conhecimento na era digital.

A historiadora Inês Queirós é a coordenadora científica da exposição, que foi desenhada pelo atelier dos arquitetos Aires Mateus e pela FBA, de Ferrand Bicker & Associados.

Os núcleos que constituem Indústria, Arte e Letras. 250 Anos da Imprensa Nacional vão da fase inicial, na viragem do século XVIII para o século XIX, com as raízes da Régia Oficina Tipográfica [1768-1801] e Da Impressão Régia à Imprensa Nacional [1802-1838], seguindo até à atualidade, pelo século XX, Da Ditadura ao Estado Novo [1926-1945] e à Reorganização [1945-1968], pelos anos que antecederam o 25 de Abril, com Empresa Pública e Fusão [1969-1974], e os que se seguiram a Abril, com Democracia [1974-…], até abordar o Presente e Futuro.

Entre estes pólos temporais, os núcleos temáticos abordam ainda A Era Dourada [1839-1870], Entre Ideias de Progresso e Sinais de Alarme [1871-1910], que vão até à queda da monarquia e à implantação da República, e a Impressão Republicana [1910-1926], do primeiro quartel do século XX, que antecedeu a instauração da Ditadura.

A exposição pode ser vista de terça a sexta-feira, entre as 10h00 e as 17h00; e aos sábados e domingos, entre as 11h00 e as 18h00. Encerra à segunda-feira e feriados.

A entrada é gratuita, e está aberta ao público até ao dia 24 de novembro, no Picadeiro Real do Antigo Colégio dos Nobres, junto ao Museu Nacional de História Natural e da Ciência e ao Jardim Botânico de Lisboa.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.