Florence Conduz A Máquina Pelo Caminho Do Bem

Reportagem de Tânia Fernandes e António Silva / Vânia Marecos

Florence and the Machine

Com a onda de calor, no segundo dia de NOS Alive 2022, chegou também a vaga do bem, guiada por Florence and The Machine. A banda britânica de indie rock, liderada pela vocalista Florence Welch trouxe boa energia a Algés, mandou baixar telemóveis e espalhou amor.

Sentimo-nos integrados numa seita, ao participar num concerto de Florence and The Machine. E a cada nova sessão de culto a que assistimos, ficamos mais envolvidos. Carisma, talento e beleza fazem com que a vontade de assistir a mais concertos desta banda não se esgote.

Há êxitos incontornáveis, que sabem que resulta sempre bem ao vivo e por essa razão são mais explorados, como foi o caso de “Dog Days Are Over” mas há também novidades de Dance Fever, lançado já este ano, que são tão bem recebidos como os outros. Percebe-se que a lista de sucessos cresce.

Florence Welch continua cheia de energia. Descalça, com um vestido vermelho, rendado a favorecer-lhe a figura esguia, corre, salta, dança, pula… e a sua intensa voz não se altera. Emociona-se, fica à beira das lágrimas, sorri do fundo do coração e o vozeirão, intacto, abraça a alma de todos os felizes espetadores, nesta noite quente.

Acolhe os que já assistiram a concertos seus e dá as boas vindas aos que estão a participar pela primeira vez. A determinada altura, pede para todos baixarem os telemóveis, olharem para a pessoa que têm ao lado, e dizerem que a amam. Uma forte cadeia de abraços atravessa o recinto do festival, dando prioridade ao contacto humano, no momento.

As emoções sobem quando Florence desce ao fosso e interpreta ” Dream Girl Evil” olhos, nos olhos, com uma admiradora. Sobe para cima da grade num estado de quase transe e de mão dada com o público continua a espalhar os versos.
“Ship to Wreck”, “Spectrum”, “Never Let Me Go” e “Hunger” são momentos altos antes de um encore, em que se despede, muito emocionada, a agradecer e a elogiar o público português: “os mais bonitos e mais barulhentos”.

Um concerto que nunca caiu na monotonia, bem equilibrado entre momentos mais intensos e explosões de energia. Para o fim Florence and The Machine deixou “Shake it Out” e “Rabbit Heart (Raise It Up).

Com grande parte do público a abandonar o recinto, Alt-J conseguiram ainda segurar um bom grupo de seguidores. Depois de ter passado pelo festival nas edições de 2013, 2015 e 2017, a banda britânica voltou mais uma vez. Agora, com novidades, do mais recente trabalho “Relaxer”.

Antes, o festival contou com outro regresso, o de Jorja Smith. Com largo sorriso e uma voz muito própria a artista conquistou logo ao trazer, para o início do concerto o conhecido tema “Be Honest”, que partilha com Burna Boy. No alinhamento integrou ainda temas como “Addicted”, “Time” e  “Burn” do seu mais recente trabalho, Be Right Back. Surpreendeu anda ao interpretar a cover de Amy Winehouse “Stronger Than Me”.

No Palco Heineken, o norte-americano Seasick Steve trouxe o melhor dos blues de Mississipi.

Amy Winehouse já tinha vindo à memória da maioria dos presentes, quando a cantora de soul-jazz Celeste entrou no palco principal pelas 19h30. A voz, maquilhagem, cabelo e postura em tudo faziam lembrar a cantora e compositora britânica, antes do período de decadência.

A tarde começou com elevadas temperaturas e os festivaleiros a procurar abrigo na zonas que não se encontravam expostas ao sol.

Alec Benjamin tem um grupo de jovens seguidores já bem definido, que marcaram presença no palco Heinecken logo ao início da tarde. Em trajetória ascendente, com milhões de streams em todo o mundo, o artista norte americano tem contado com o apoio de muitos músicos de renome internacional, incluindo Billie Eilish, Bryson Tiller ou John Mayer. Foi uma boa oportunidade, de ter um primeiro contacto com este nome de que ainda se vai ouvir falar.

Expresso Transatlântico, o projeto que junta Gaspar Varela na guitarra portuguesa, Sebastião Varela, na guitarra elétrica e Rafael Matos na bateria atuou esta quinta-feira no Clubbing. Trouxeram sonoridade portuguesa e bom humor. Entre temas, puxavam pelo público, que começou por se espalhar no chão do recinto, mas aos poucos, se foi juntando à frente de palco para assistir com mais atenção e até começar a embalar o corpo.

O palco principal abriu com Os Quatro e Meia. Neste final de tarde, ainda com o sol a torrar, ouviram-se temas do último disco de estúdio, “O Tempo Vai Esperar”, bem como canções do álbum de estreia “Pontos nos Is”. “Bom Rapaz”, “Olá Solidão” ou “Canção do Medo” foram alguns dos temas apresentados neste festival. A acumular sucessos, ainda recentemente levaram enchente de pessoas ao Estádio Cidade de Coimbra, os Quatro e Meia revelaram-se muito felizes com a presença neste festival. “É um orgulho enorme estar aqui. Foram dois anos difíceis e este é sem dúvida, o melhor regresso de sempre”. Pede uma salva de palmas para a equipa técnica “sem eles não éramos absolutamente nada”.

Conforto e Comodidade Para Grávidas
– por Vânia Marecos – 

Esta quinta feira tivemos ainda oportunidade de visitar o stand da Joaquim Chaves Saúde.

O grupo português de saúde marca presença, pela primeira vez, no NOS Alive, com um espaço dedicado exclusivamente a grávidas, de frente para o palco principal. Com cadeiras e acessos diretos às casas de banho, o intuito deste stand é dar o melhor conforto possível às futuras mães. Estas podem desfrutar de toda a experiência de um festival de verão e assistir aos concertos em cadeira, a partir da varanda do 1º andar.

Na receção têm ainda oportunidade de participar em atividades relacionadas com esta fase especial da sua vida e obter todas as informações relevantes acerca de consultas e exames.

Cada grávida e o respetivo acompanhante, com bilhete para o NOS Alive, têm direito a assistir, no máximo, a três concertos por dia no stand da Joaquim Chaves Saúde. As  inscrições prévias já se encontram esgotadas, mas a disponibilidade poderá ser avaliada no momento de acordo com as indicações da organização.

O festival Alive volta a abrir portas hoje, com a data já esgotada. No palco principal atuam Metallica (23h), Royal Blood (21h), AJ Tracey (19h30), Don Broco (18h00); no palco Heinecken Pedro da Linha B2B Riot (02h50), M.I.A. (01h10), Três Tristes Tigres (23h40), St. Vincent (21h50), Nicki Nicole (20h), Sea Girls (18h30), Alta Avenue (17h); no clubbing Holly (02h30), T-Rex (01h), Lon3r Johny (23h30), Yuri NR5 (22h25), King Bigs (21h15), Lord XIV (20h25), Hypz (18h30), Miller (17h); no palco comédia Guilherme Duarte com Gandim (01), Alexandre Santos (22h25), Guilherme Fonseca (22h05), Duarte Correia da Silva (20h20), Pedro Sousa (19h), Pepperoni Passion (17h35), Pedro Silva e Inês Coimbra (17h); no Coreto Silly (02h20), Basilda (00h40), Rita Lig (23h), Mafalda Nunes (21h10), Madalena Palmeirim (19h20), Meta_ (17h45); no EDP Fado Café O Samba É 1 Só (01h)Teresinha Landeiro (22h10 e 20h20), Matilde Cid (18h50 e 17h15); no Pórtico NOS Alive Bunny O’Williams (20h), Trio Cadmira (18h45 e 17h30) e Wild Dogs (16h15 e 15h).

A reportagem do primeiro dia de NOS Alive
Reencontros Felizes No Regresso Do NOS Alive 2022

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.