Festival Jardins Do Marquês É O Novo Festival De Música De Oeiras

Julho de 2020 traz um novo festival de música a Oeiras – o Festival Jardins do Marquês. Cat Stevens e Lighthouse Family são as primeiras confirmações.

O programa inclui 7 noites de concertos, distribuídos por dois palcos, um para os grandes nomes, e um segundo palco para os nomes emergentes e concertos mais intimistas. A iniciativa conta com a curadoria de Pierre Aderne, músico brasileiro a residir em Lisboa.

Antes dos concertos, está previsto um jantar servido em cada uma das 7 noites no cenário único dos jardins. O menu de degustação será criado pelo Chefe Vítor Sobral.

Cat Stevens (agora Yusuf Islam) é a primeira confirmação do Festival Jardins do Marquês. Este vai ser também o seu primeiro encontro com o público português, e está marcado para o dia 4 de julho de 2010.

Cat Stevens é um dos principais compositores e intérpretes do século XX, com mais de 40 milhões de discos vendidos. Inspirado pelos Beatles, pela folk e pelo blues americano, começou a escrever as suas próprias canções ainda na adolescência. Cedo alcançou o sucesso, com o single “I Love My Dog”. Logo a seguir, “Matthew & Son” consolidou a fama do músico e abriu caminho para o seu estatuto de estrela pop a nível mundial. Depois de contrair tuberculose, Cat Stevens passou por um longo período de convalescença que correspondeu também a um despertar espiritual – e regressou bem diferente na década de 70. Os discos Mona Bone Jackson (1970), Tea for the Tillerman (1970), Teaser and the Firecat e Catch Bull at Four (1972) elevaram-no definitivamente ao estrelato musical. E foi nesse período que nasceram algumas das suas principais canções, como “Wild World”, “Father & Son”, “Peace Train”, “Moonshadow” ou “Morning Has Broken”.
Em 1975, uma experiência de quase morte marcou o seu encontro com o islamismo, depois da leitura do Alcorão. Esta conversão acabaria por ditar também uma mudança de nome: Cat Stevens era agora Yusuf Islam. Chocou o mundo ao abandonar a carreira musical, dedicando-se à família, à formação de várias escolas espirituais e também a várias ações humanitárias. Depois dos ataques do 11 de setembro, o músico passou também a ser uma voz ativa contra o terrorismo.
Em 2006, regressou à música mais a sério com o lançamento do disco An Other Cup. Desde aí lançou mais três discos e fez várias digressões internacionais.

Já os Lighthouse Family atuam dia 1 de julho. A banda, original de Newcastle é formada pelo vocalista Tunde Baiyewu e o teclista Paul Tucker e aposta na música soul.
Ambos os músicos nasceram em Londres, apesar de Baiyewu ter vivido na Nigéria, uma experiência que viria a formar a sua sensibilidade artística e, consequentemente, também o som dos Lighthouse Family – sempre aberto ao mundo e a influências bem diferentes. No início o mesmo Baiyewu revelava algumas inseguranças em relação às suas habilidades vocais, mas isso não impediu que o duo editasse os seus dois primeiros singles, “Ocean Drive” e “Lifted”, pela Wild Card Records. O primeiro disco, Ocean Drive, foi editado em 1995 e só um pouco mais tarde é que o público ficou rendido ao single “Lifted”, ainda muito a tempo de este se tornar um hit à escala planetária e um clássico dos anos 90.
O primeiro disco alcançou a impressionante marca das seis platinas e a popularidade da banda não parava de aumentar graças a singles tão marcantes como “Loving Every Minute” e “Goodbye Heartbreak”. Depois a banda editou mais dois discos nos anos seguintes: Postcards from Heaven (1997) e Whatever Gets You Through the Day (2001) confirmaram todas as virtudes da dupla inglesa. Depois de uma longa paragem de 18 anos, a banda regressou aos discos em 2019, com Blue Sky in Your Head.

 

O Festival Jardins do Marquês é uma iniciativa da Câmara Municipal de Oeiras e a Música no Coração. Os bilhetes para o concerto já se encontram à venda nos locais habituais e custam entre 85 euros (plateia VIP) e 40 euros (plateia em pé).

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.