Fundação Arpad Szenes – Vieira da Silva Apresenta Backstories

Reportagem de Tânia Fernandes

Backstories
Pedro Calapez, Rui Sanches e Mitsuo Miura foram os artistas desafiados a promover um encontro com a obra de Maria Helena Vieira da Silva. A exposição coletiva Backstories inaugurou esta terça-feira na Fundação Arpad Szenes – Vieira da Silva e pode ser visitada até ao dia 25 de setembro de 2016.
O projeto nasce em torno do diálogo entre os artistas, do livro e da biblioteca, manuseando conceitos de espaço e tempo, realidade e memória, afeto e ação, identidade e história.
 
Cada artista ocupa uma galeria do museu, numa quarta sala coexistem obras dos três artistas.
Rui  Sanches,  apresenta  quatro  esculturas expostas de forma a que o visitante tenha de encontrar o seu próprio caminho e modo de ver.
 
A Pedro Calapez interessa mais o que se oculta e/ou sabe por detrás do que o que se vê. As suas pinturas nascem das palavras  lidas,  trocadas  com  Mário  Cesariny,  Cecília Meireles, assimiladas através dos escritos de Miguel de Unamuno ou Teixeira de Pascoaes. Cada pintura encontra  assim  correspondência  num determinado livro desses autores, para os quais remete o título, mediante identificação através do sistema de numeração internacional (ISBN) e de um verso ou frase.
 
Na última sala, a densidade cromática passa à floresta de mangas plásticas de Mitsuo  Miura . Ou como refere Ana Ruivo, a comissária da exposição,  é “como se submergíssemos dentro da cabeça, do pensamento, arquivo de ideias suspensas.  Entre  sombra,  opacidade e  transparência,  o discurso  ganha  forma,  a  sinapse  transcrição,  o sentir ação. O espectador age neste percurso na demanda de caminhos.”
 
Antes de sair, vale a pena espreitar , no piso de entrada, a exposição Vieira da Silva e a Arte Popular. As vistas de Lisboa, pintadas sobretudo com recurso à memória, por Maria Helena Vieira da Silva, a viver fora do seu país desde os 18 anos. Evoca temas como as festas, as canções de roda, figuras populares como a varina e o pescador, as casas e os azulejos. São apresentados alguns desenhos e esboços da sua autoria, alguns inéditos, assim como uma seleção de objetos de arte popular da coleção pessoal da artista e fotografias que testemunham a sua relação com a Lisboa.
 
A exposição Backstories pode ser visitada de terça-feira a domingo, das 10h00 às 18h00. Encerra às segundas-feiras e feriados. A entrada custa 5 euros. É gratuita para jovens até aos 14 anos e no 1º domingo de cada mês. Há descontos para estudantes, reformados, entre outros.
 

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.