Espólio de Francisco Arruda Furtado em Exposição no Museu De História Natural

CartazO Museu Nacional de História Natural e da Ciência apresenta o trabalho científico do naturalista açoriano Francisco Arruda Furtado, conhecido por ter sido um dos poucos portugueses a corresponder-se com Charles Darwin.

Francisco Arruda Furtado (1854-1887), Discípulo de Darwin é o título da mostra, organizada em parceria com o Museu Carlos Machado, o Teatro Nacional de São Carlos, e comissariada por David Felismino, Ana Carneiro e Alda Namora.

Francisco Arruda Furtado correspondeu-se durante dois anos com Charles Darwin, com quem trocou ideias, informações, pedindo conselhos e livros., chegando a afirmar aquando da sua morte: ‘O humilde discípulo tem o dever de se curvar respeitoso sobre essa obra colossal’.

A exposição, que lhe é agora dedicada, acolhe mais de uma centena de peças, entre manuscritos, desenhos, livros, exemplares de história natural, instrumentos científicos e vestuário, que espelham uma ínfima parte dos mais de 3000 manuscritos e desenhos originais de Arruda Furtado, conservados nos arquivos do MUHNAC.

Todos estes documentos encontram-se disponíveis on-line, depois de um ano de catalogação, conservação e digitalização, graças ao apoio da Fundação Calouste Gulbenkian.

É no desenho que se centra a exposição, destacando um ponto comum e permanente nas diversas fases do trabalho de Arruda Furtado: o recurso à ilustração.

inauguracao-arrruda-furtado_002O percurso expositivo encontra-se organizado em três núcleos temáticos: “Arruda e Darwin”, “Vida e obra” e a “Obra inédita”.

No primeiro, uma rara oportunidade de conhecer as cartas trocadas entre Arruda e Darwin, e de mergulhar no espírito das viagens científicas de finais do século XIX.

No segundo, é a concepção alargada e diversificada da natureza de Arruda Furtado que é dada a conhecer, através dos seus manuscritos e desenhos.

No último, é dado o foco à obra que ficou inacabada e inédita, em particular as obras de divulgação e ensino.

Com trabalhos publicados e um nome firmado, muda-se dos Açores para Lisboa, em 1885, para integrar os quadros da Secção Zoológica do Museu Nacional de Lisboa (atual MUHNAC). Durante dois anos, até regressar a Ponta Delgada, dedica-se ao estudo e à catalogação da coleção de conchas e moluscos do museu. Morre aos 33 anos, deixando uma vasta obra, e dezenas de trabalhos inacabados, na sua maioria, ainda hoje inéditos.

A exposição pode ser vista até 7 de junho, de terça a sexta-feira, das 10h00 às 17h00 e ao fim-de-semana das 11h00 às 18h00. Os bilhetes custam 5 euros.

Texto de Susana Sena Lopes

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.