Esfera Dos Livros Publica A Confraria Dos Espectros

O romance A Confraria dos Espectros, do autor João Carlos Alvim, com chancela A Esfera dos Livros, já chegou às livrarias.

João Carlos Alvim, co-fundador das editoras Assírio & Alvim e Bizâncio, diretor e consultor editorial de diversas chancelas estreia-se na publicação com este romance, uma história dramática e romântica, repleta de ação, que se inicia em Lisboa, em julho de 1833 e se estende até Nova Iorque, no ano de 1911.

Lisboa, Julho de 1833. Reina na cidade um sombrio desespero. Dentro de algumas horas, as tropas liberais deverão fazer aí a sua entrada, sem que nada nem ninguém se lhes consiga opor. Grupos de frades passeiam-se de rua em rua, a anunciar em altas vozes o Juízo de Deus. Há, por toda a parte, vinganças e assassínios. A morte parece andar à solta, com o seu cortejo de medos.
É então que uma corveta sai a barra do Tejo, levando a bordo um jovem destinado a desempenhar, em Portugal e por toda a Europa, um papel simultaneamente misterioso e crucial. São João do Campo, Terras do Bouro, Outubro de 1847. Disparam-se os derradeiros tiros da guerra da Patuleia. Numa região agreste do norte de Portugal, o barão de Richemont tenta escapar a um destino que há muito lhe foi traçado.
Os membros da terrível Confraria dos Espectros, entre os quais um fanático ultramontano e um francês admirador do célebre Vidocq, tentam por todos os meios localizá-lo e apropriar-se do tesouro que é voz corrente ter trazido para Portugal.
Há rumores de que o barão é, na realidade, o Delfim, filho de Maria Antonieta e de Luís XVI, que contra todas as expectativas teria conseguido fugir dos seus carrascos, em 1794. Nova Iorque, Maio de 1911. Numa casa pobre de Brooklyn, agoniza Joseph Pinkerton, o herdeiro do fundador da célebre agência de detectives. Foi ele quem transmitiu a um jornalista, que pouco antes o tinha ido entrevistar, a história da Confraria dos Espectros e lhe permitiu também compreender o horrível segredo que ia morrer consigo. Mas por que é que o barão de Richemont, seja ele quem for, escolheu vir para Portugal?
E que tesouro é esse que todos querem apanhar? Qual o papel da Confraria dos Espectros no reordenamento político da Europa? Que intrigas se urdem, nesses anos do século XIX, entre os gabinetes dourados da realeza e da diplomacia, as alcovas e os salões das grandes figuras da época e a escória das ruas e do crime?

A Confraria dos Espectros é uma estória romântica e dramática, cheia de melancolia e de acção, sobre a imparável ascensão da Europa liberal e as ilusões dos que tentaram opor-se-lhe.

O romance, de 408 páginas, está à venda por 21,20 euros.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.