Eletrónica E Futebol A Dominar O Segundo Dia De Sumol Summer Fest

Reportagem de Tânia Fernandes e António Silva

Sumol Summer Fest

No segundo dia de Sumol Summer Fest o futebol era episódio incontornável da agenda. Também o festival ajustou o alinhamento, de forma a permitir que todos acompanhassem o jogo, em direto. Assim, o concerto da sueca Elliphant foi antecipado e a festa depois continuou pela noite dentro.

Jimmy P recebeu toda essa boa energia, e aproveitou-a para fazer um concerto especial. Os Madcon, não deixaram o ânimo cair e brindaram o público com um dos mais animados momentos do festival. A festa continuou pela noite dentro com a eletrónica de Tinie Tempah e depois Robin Schulz.

Eram muitos os cachecóis e bandeiras de Portugal no recinto, neste segundo dia de festival. Um mar de gente a torcer pela equipa lusitana celebrou, de forma ruidosa e efusiva o golo da vitória. Foi com todo esse entusiasmo que Jimmy P entrou em palco para mostrar o seu mais recente trabalho. Começou com um grito de guerra “Warrior”, continuou com “Valer a Pena” e, sempre muito comunicativo fez uma versão mais longa de “On Fire”, não sem antes referir que tinha feito 400 kms para “vos deixar on fire”. “Não Tás a Ver” foi a euforia total. A Jimmy p Juntou-se depois Valete para “Os melhores anos”. Sempre a pedir o público os acompanhar com palmas, braços no ar, Jimmy P espalhou good vibes por todos.

Valete teve ainda oportunidade de recuperar um tema seu “Roleta Russa”. Para o fim, ficou “Entre as Estrelas” e não sem antes deixar o aviso de que está a viver no Porto e ali os palavrões “são uma cena cultural” fechou com “Amigos e Amantes”.

Os Madcon trouxeram o concerto mais divertido de todo o festival. À frente da banda estão os noruegueses Yosef Wolde-Mariam e Tshawe Baqwa que, desde se meterem com os seguranças, dançarem com a câmera de vídeo fizeram uma autêntica festa no Sumol Summer Fest.

Trouxeram uma mistura de rap, funk, soul e música eletrónica que, nos intervalos, vira stand up comedy. Contaram que celebraram o golo de Portugal, quando estavam no restaurante e agora queriam fazer a festa. Apresentaram “Freaky Like Me” e “Helluva Nite” e puseram todos aos pulos com o irresistível “Beggin'”. Depois, saltaram a barreira que segura as primeiras filas e foram dançar para o meio do público, para felicidade e surpresa dos presentes. Despediram-se com “Don’t Worry” em animada festa, com todos a dançar.

O palco foi depois ocupado pela bancada do Dj Charlesy que fez o aquecimento para a entrada de Tinie Tempah. Braços no ar, batida frenetica e repetida, a Ericeira foi transportada para o ambiente de Ibiza. E foi nesse ritmo que continuou pela madrugada fora com Robin Schulz, a estrela da pop-eletrónica.

Mais difícil com assegurar um sistema compatível com os decibéis que o artista procurava fazer ouvir, com alguns problemas técnicos a surgir logo no início da atuação.  Os resistentes não desanimaram e mantiveram-se a dançar, sempre de braços no ar, com o talentoso Dj.

O Sumol Summer Fest marca o início da maratona de festivais de verão, que prometem dar muitas noites em claro aos amantes de boa música.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.