Culturgest Apresentou Programação Da Nova Temporada

cof

A Culturgest tem uma nova equipa e novos objetivos. Uma equipa constituída por Mark Deputter, Delfim Sardo, Pedro Santos, Liliana Coutinho e Raquel Ribeiro dos Santos, preparou a programação da temporada de outubro de 2018 a fevereiro de 2019, que Mark Deputter, novo diretor artístico da Culturgest, deu a conhecer em conferência de imprensa e numa apresentação aberta ao público.

São mais de 60 espetáculos de dança, teatro, concertos, exposições, performances, debates, conferências e cinema que vão estar em cena nos próximos meses. O posicionamento está maioritariamente centrado na arte contemporânea.

Mark Deputter, sucessor de Miguel Lobo Antunes, explicou que parte da programação visa celebrar os 25 anos da Culturgest, e logo com um concerto do canadiano Tim Hecker, com The Konoyo Ensemble, a 4 de outubro.

Outro dos pontos altos do programa dos 25 anos da Culturgest é a peça Os Seis Concertos Brandeburgueses, a maior coreografia de sempre de Anne Teresa De Keersmaeker, executada por 18 bailarinos da companhia Rosas e pelo ensemble de música barroca B’Rock, que interpreta a obra-prima de J.S. Bach ao vivo.

Destaque ainda para o DocLisboa’18, de 18 a 28 de outubro, e que oferece a possibilidade de imaginar, refletir e entender o mundo através do passado, do presente e do futuro do cinema. Este ano, o Festival Internacional de Cinema dedica a retrospectiva de autor à obra de Luís Ospina, um dos mais importantes realizadores colombianos contemporâneos.

Em dezembro, mais precisamente no dia 15, realiza-se uma homenagem a José Saramago e aos 20 anos da conquista do Prémio Nobel. Num concerto de celebração, a Orquestra Metropolitana de Lisboa, dirigida por Jonas Alber, apresenta Memorial, uma obra em estreia absoluta de António Pinho Vargas baseada na leitura de Ensaio sobre a Cegueira, Ensaio sobre a lucidez e as Intermitências da Morte, de José Saramago.

Mark Deputter destacou ainda o espetáculo 100% Lisboa, de 1 a 10 de fevereiro de 2019 no Grande Auditório. Após ter passado por mais de 35 cidades em todo o mundo, de Paris a São Paulo ou Montreal, é a vez da capital portuguesa receber o espetáculo dos Rimini Protokoll que pegam nas estatísticas oficiais da cidade e dão-lhes uma cara humana, colocando em palco 100 habitantes que representam a população inteira dividida em género, idade, nacionalidade, agregado familiar e área de residência. Juntos vão pensar no que está bem e no que pode ser melhorado em Lisboa.

Após a apresentação da programação cultural seguiu-se o Concerto Montanhas Azuis com os músicos Norberto Lobo, Marco Franco e Bruno Pernadas. Os mesmos músicos voltam a atuar a 15 de fevereiro, também no Grande Auditório da Culturgest.

A programação completa pode ser consultada no site. Os bilhetes vão estar à venda no local e online.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.