Crónica: Cultura Para Todos

Por Óscar Enrech Casaleiro

1. Para que serve um Ministro da Cultura?

A partir de hoje começo a fazer ouvir a minha voz sobre diferentes temas culturais neste espaço quinzenal de 442 palavras que a C&H me disponibilizou. Se não gostarem podem sempre queixar-se às editoras da revista, ou, em alternativa, fazer uma petição pública em letras garrafais e indignadas “ACABEM COM A CRÓNICA DO ÓSCAR JÁ”. Ainda por cima disseram-me que dentro da área cultural poderia escrever sobre qualquer tema. Uma loucura, isso nunca se faz!

Claro que isto teve um efeito oposto, bloqueei com tantas possibilidades, vou escrever sobre o quê? Decidi começar pelo máximo decisor político na área cultural. Fazendo uma pesquisa reparei que nos últimos 33 anos a cultura desapareceu enquanto ministério durante quatorze anos (nos governos de Aníbal Cavaco Silva e Pedro Passos Coelho), por isso pergunto: ainda faz sentido o Ministério da Cultura?

Quando comecei a trabalhar na cultura em 1997 o setor estava encantado pela ação do então Ministro da Cultura Manuel Maria Carrilho. Havia orçamento (e isso faz toda a diferença) e as áreas artísticas foram reorganizadas e ganharam um peso político como nunca tinha acontecido. Foi um bom afago de ego. Depois de algumas tentativas de anteriores responsáveis da cultura, como Teresa Patrício Gouveia e Francisco Lucas Pires, uma área invisível como a cultura passou a existir, com todas as suas qualidades e problemas. Mas não só, a cultura foi ganhando peso mediático também pela Expo 98 e a atribuição do Nobel a Saramago. Mas…isso foi bom? Durou pouco, não deu para assimilar.

A partir de 2000, com a demissão de Carrilho, esta tentativa de política cultural acabou e os cortes orçamentais na cultura foram ganhando raízes até se transformarem numa planta infestante que invadiu a cultura. Desde esta época, se excetuarmos a ameaça recente do Ministro João Soares ter vontade de dar um par de tabefes a um cronista, ou o anterior Ministro Luís Castro Mendes num ringue de boxe, em direto para as televisões, com Marcelo Rebelo de Sousa e Luís Miguel Cintra, para ver se a Cornucópia não fechava, as políticas culturais e as figuras responsáveis pela cultura têm sido quase invisíveis para o comum dos mortais.

E porquê? Pela incapacidade da maioria dos governantes que ocuparam este lugar em definir políticas também vocacionadas para os públicos e não apenas para os profissionais da cultura.

O Ministro da Cultura deveria governar também para cativar os públicos para a cultura e demonstrar a importância política desta pasta governativa. De outra forma cada vez que surge um novo governo o Ministério da Cultura vai ser o primeiro a desaparecer.

Por Óscar Enrech Casaleiro – Comunicador cultural desde 1997, atento à atualidade desde sempre. 

N.R.: Esta crónica tem periodicidade quinzenal e é da inteira responsabilidade do seu autor

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.