Citemor Arranca Hoje

A 42º edição do Festival de Teatro Citemor arranca hoje, dia 24 de julho e estende-se até ao dia 8 de agosto, em Coimbra, Montemor-o-Velho e Figueira da Foz. O programa do festival, adaptado às novas circunstâncias, é composto por apresentações informais, antestreias e produções próprias, privilegiando espaços ao ar livre e continua a acolher “teatro, danças, música, cinema, vídeo e instalações”, ocupando “espaços não convencionais”.

A abertura do Festival, marcada para hoje às 21h30, realiza-se no Teatro da Cerca de São Bernardo, em Coimbra, com a apresentação de Atlântico, de Tiago Cadete. O espetáculo, para maiores de 12 anos, «parte de uma viagem de Cruzeiro de Portugal em direção ao Brasil, percurso outrora desconhecido pelos portugueses, transformado nos dias de hoje em rota de férias. Turistas viajam pelo mesmo caminho que já foi trânsito de corpos escravizados ou de marinheiros obrigados a sair do seu país para explorar esse denominado “Novo Mundo”.»

O Castelo, em Montemor-o-Velho, acolhe a instalação Biblioteca, do artista plástico Horácio Frutuoso. Para ver aos sábados, 25 de julho e 1 de agosto e às sextas, 31 de julho e 7 de agosto. «Uma biblioteca como um depositário de livros, a tentativa de preservar, a organização hierárquica, os rituais, o silêncio, os livros que são esquecidos, os que são mais requisitados até as folhas se soltarem.»

Amanhã, às 22h30, a Associação cultural Útero apresenta Primeiro Mandamento – Romeu e Julieta a partir de Prokofiev. Uma peça que parte das partituras que Serguei Prokofiev criou para o ballet, estabelecendo «uma relação com o autor William Shakespeare, nos símbolos e formas, muitas vezes associadas só a uma estética e a um tipo de bailarino e forma de dançar.»

No dia 31 de julho, pelas 22h30, é possível assistir às Conversas Fictícias, com Ignasi Duarte e Gonçalo M. Tavares. «Um escritor responde em cena a perguntas que ele mesmo formulou a personagens da sua obra.»

Seguem-se, no dia 1 de agosto, pelas 22h30, a estreia de Se Alquila, de Óscar Cornago e Juan Navarro. «Um arquivo por organizar sobre a memória do corpo, do presente e do público, uma conversa impossível entre a cabeça e o corpo, entre o assunto de uma conferência e o objeto de estudo vivo, entre o que aconteceu e o que está a acontecer agora» e no dia 7, pelas 22h30, a apresentação de Falsos Amigos de Miguel Pereira e Guillem Mont de Palol, que «posiciona os dois criadores num espaço de contraste entre o que há de semelhante e o que há de diferente entre eles.»

A fechar o Citemor, a Orquestina de Pigmeos, apresenta, no Núcleo Museológico do Sal, na Figueira da Foz, no dia 8 de agosto, pelas 21h30 Mondego. «O coletivo volta ao rio onde nasceu para continuar uma exploração em torno do movimento».

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.