Cirque Du Soleil Traz Cor E Muita Alegria A Lisboa Com Um Renovado Varekai

Reportagem de Tânia Fernandes (texto) e Sara Santos (fotografia)

Do mito grego, sabemos que Ícaro construiu asas para poder voar e, fascinado pelo sol, subiu no céu até as derreter. Pelo Cirque du Soleil, ficamos a conhecer o que lhe aconteceu depois de se despenhar. Caiu em Varekai, o espetáculo que pode ser visto no Meo Arena até ao dia 15 de janeiro.

Varekai é um lugar indefinido, habitado por seres coloridos e alegres. O cenário de canas altas remete para uma floresta encantada, mas esta é apenas uma das leituras possíveis de um espetáculo que se quer universal e acessível a todos, independentemente da idade ou do background cultural.

A beleza a que o Cirque du Soleil nos tem habituado atravessa todo o espetáculo. As atuações caracterizam-se por uma estética visual que quase nos leva a crer que temos uma pintura em movimento diante dos olhos. Um dos pontos fortes deste Varekai é precisamente a exuberância do guarda roupa. A cor, mas também os volumes extravagantes dão origem a silhuetas peculiares, mais evidentes em algumas atuações acrobáticas.

Ícaro tem uma entrada cénica intensa, faz amizades nesta terra de ninguém e apaixona-se. Pelo caminho, dá-nos conta das estranhas criaturas que conhece. A música, tocada e cantada ao vivo , guia-nos pela narrativa, enchendo-nos de esperança, em determinados momentos e intensificando a tensão noutros. Os números aéreos são de uma beleza estonteante e aqui Varekai é também uma homenagem ao espírito nómada e à arte do circo.

Agilidade, força e sincronismo coordenam-se com a audácia dos executantes. Com bom ritmo, o espetáculo dá-nos, na primeira parte (e depois da introdução dos personagens), o voo de Ícaro e a forma como desafia a rede suspensa; um número de tumbling sincronizado, com exímios acrobatas japoneses, outro de manipulação de bastões, a revelar uma grande coordenação da interveniente. A aproximação ao circo mais tradicional dá -se com a entrada em cena da comédia. Estes palhaços são uma paródia ao ilusionista e sua assistente que, com muita graça, tratam também do conflito universal homens / mulheres.

A fechar a primeira parte, as danças russas, interpretadas por artistas da Geórgia fizeram vibrar toda a sala.

A segunda parte conta com alguns dos mais fantásticos números do repertório da companhia: o bailado aéreo dos dois musculados performers que sobrevoam toda a plateia em perfeito sincronismo; a contorcionista que vai encantar Ícaro; e um final de cortar o fôlego com os saltos acrobáticos de um grupo numeroso e multicultural, que recorrem a plataformas únicas para sobrevoar o cenário.

São cerca de duas horas que passam a uma velocidade vertiginosa. Como num sonho fantástico!

Varekai foi concebido em 2002 e tem vindo a sofrer alterações desde então. O espetáculo, agora em cena, tem pontos em comum com o que passou em Lisboa, na altura em ambiente de tenda, há sete anos atrás, mas tantas outras novidades que, a esta distância nos surpreendem como se tudo fosse novo.

O Cirque du Soleil nasceu de um grupo de 20 artistas de rua no início de 1984 e hoje é uma grande companhia de entretenimento artístico. Sediado no Quebec, Canadá, conta atualmente com quatro mil funcionários, entre os quais mais de 1300 artistas, provenientes de 50 cidades diferentes. Os espetáculos do Cirque du Soleil já fascinaram e surpreenderam mais de 160 milhões de espectadores, em mais de 400 cidades, de 60 países de todos os continente.

O espetáculo tem sessões diárias previstas às 21h30 (exceto segundas-feiras). Nos dias 7, 8, 13, 14 e 15 de janeiro há também sessões previstas às 18h00. No dia 15 não há sessão às 21h30, mas há às 14h30. Os bilhetes encontram-se à venda nos locais habituais e custam entre 80 euros (Balcão 1) e 37 euros (balcão2).

Informações úteis
Com o objectivo de facilitar o regresso a casa do público que se vai deslocar dos vários pontos do País para assistir aos espetáculos de Varekai do Cirque Du Soleil em Lisboa, a Everything is New e a CP – Comboios de Portugal disponibilizam descontos ao público que se desloca ao evento, nas seguintes condições: Intercidades, Regional e InterRegional: Para quem pretender comprar um bilhete Intercidades, Regional ou InterRegional pode usufruir de 30% de desconto válido para viagens de ida e volta, na véspera ou no dia do evento (consoante a data do bilhete para o espetáculo) e regresso no próprio dia ou dia seguinte, com destino a Lisboa Oriente, mediante a apresentação do bilhete do espetáculo numa bilheteira CP.

Comboios urbanos de Lisboa – Já na Área Metropolitana de Lisboa, nomeadamente nas Linhas de Sintra/Azambuja, Cascais e Sado, foi criada a promoção especial de apenas 2 euros, ida e volta, nos comboios urbanos de Lisboa, mediante a apresentação do bilhete para o espetáculo nas bilheteiras CP.

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.