Centro De Artes De Sines Apresenta Exposição Que Explora Dicotomia Entre Público E Privado

O Centro de Artes de Sines abre ao público no dia 22 de junho, com a apresentação da exposição Público/Privado – Doce Calma ou Violência Doméstica?, com curadoria de Miguel Sousa Ribeiro.

Como se lê no texto do curador, “o estatuto Público/Privado está patente nesta seleção e várias são as obras que nos remetem para este assunto, como a dicotómica obra de Fernanda Fragateiro “Público/Privado, Doce Calma ou Violência Doméstica”.Esta obra serviu de mote para o título da exposição, a que foi acrescentado um ponto de interrogação, “pois num conjunto de obras tão alargado”, escreve Miguel Sousa Ribeiro, “mais do que afirmar queremos questionar e possibilitar a subjetividade individual de respostas”.

A exposição reúne obras de 24 artistas. Além de Fernanda Fragateiro, estão representados Ângela Ferreira, Brígida Mendes, Carlos Bunga, Catarina Botelho, Cecília Costa, Eduardo Souto de Moura, Igor Jesus, Inês d’Orey, Joana Vasconcelos, João Galrão, João Leonardo, João Paulo Serafim, Jorge Molder, José Bechara, José Pedro Cortes, José Pedro Croft, Luísa Cunha, Miguel ngelo Rocha, Noé Sendas, Nuno Cera, Pedro Barateiro, Rodrigo Oliveira e Teresa Braula Reis. E inclui esculturas, desenhos, fotografias, instalações, objetos, trabalhos de som e de imagem em movimento (vídeo), que permitem diferentes interpretações.

A exposição estrutura-se numa sequência de subnúcleos expositivos que visam explorar as articulações entre um conjunto de obras e as circunstâncias arquitetónicas do Centro de Artes de Sines, nomeadamente, a sua abertura e amplitude, que potenciam o diálogo.

A mostra, organizada pela Câmara Municipal de Sines, tem entrada livre e pode ser visitada, de segunda a sexta-feira, das 10h00 às 18h00, e ao sábado, das 11h00 às 17h00, até 18 de outubro de 2020.

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.